Agravamento do IMI de prédios degradados. Sintra anula 11 mil processos

Código prevê majoração de 30% para prédios degradados e que o imposto triplique para casas em ruína. Mas as regras não são claras

A Câmara Municipal de Sintra anunciou que vai anular 11 mil processos de agravamento do IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) depois de uma notícia da TSF segundo a qual as regras para aplicar o que diz no Código deste imposto não são claras e dependem dos critérios de cada autarquia.

O Código do Imposto Municipal sobre Imóveis prevê que os prédios degradados tenham um agravamento de 30% e o imposto triplique no caso dos prédios em ruínas ou devolutos. Só que, devido à tal falta de clareza das regras, cada câmara tinha os seus critérios. Por isso, segundo a TSF, em Sintra havia mais de 11 mil prédios com IMI agravado, enquanto no Porto eram menos de 800 e em Lisboa eram 17 mil.

"Notamos uma grande diversidade em todo o país", explicou à rádio o presidente da Associação Lisbonense de Proprietários, Menezes Leitão. "Há concelhos que são altamente persecutórios e todo e qualquer pretexto serve para agravar o IMI e há outros em que praticamente não há esse tipo de intervenção", concretizou.

Também a Associação Nacional de Proprietários admite que tem recebido queixas.

A Câmara de Sintra decidiu anular os processos de agravamento do IMI e reavaliar a situação, bem como realizar um inquérito interno para perceber o que a provocou e tornar os critérios mais concretos.

"As Finanças devolverão essas importâncias, como se cada um deles tivesse reclamado e a reclamação fosse aceite", garantiu à TSF.

Basílio Horta admitiu que lhe chegaram casos de "avaliações mais feitas" e até de "algumas grosseiramente feitas". O autarca realçou que a câmara baixou o IMI. "Não podíamos consentir que [os munícipes] estivessem a pagar IMI com aumento em situações que não eram devidas", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.