Agente da PSP dá sermão bíblico a detidos

Numa esquadra do Porto, um agente da PSP repreende detidos com recurso a passagens bíblicas. O momento foi filmado e o Comando Metropolitano da PSP diz que vai "averiguar"

"Vamos dar as mãos, vamos criar uma corrente de fé", ouve-se o agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) dizer para três detidos - dois homens e uma mulher - numa esquadra do Porto. O momento foi captado num vídeo que o Jornal de Notícias divulgou.

Ao longo de cerca de quatro minutos vê-se o polícia em pé a dar um sermão aos três detidos, sentados e algemados, com recurso a passagens bíblicas. "Sabeis que andais no caminho das trevas. Não é o caminho certo, pois não? Andais em pecado", diz o agente da autoridade num espaço, onde outros polícias estão a trabalhar.

O JN entrou em contacto com o Comando Metropolitano do Porto que disse desconhecer a situação, mas que vai "averiguar" o que aconteceu "procedendo de acordo com os princípios normativos em vigor" na instituição.

Para já o que se sabe é que o vídeo poderá ter sido gravado recentemente, uma vez que é feita uma referência à "época da Quaresma". Perante o silêncio dos detidos, o agente da PSP cita uma passagem da Bíblia, intitulada "Andando na luz". "Deus é luz e acreditando nele não há treva alguma", ouve-se.

"Tu podes alcançar a salvação, podes ver a luz ao fundo do túnel por muito ténue que ela seja. Se vocês todos acreditarem no Senhor, acreditarem na fé, acreditarem no vosso interior, vocês conseguem lá chegar", aconselha o polícia.

O vídeo termina com um pedido do agente aos três detidos. "Vamos dar as mãos, vamos criar uma corrente de fé. Aleluia irmãos. Nesta época da Quaresma, vocês, unidos no caminho das trevas, devem estar unidos no caminho da salvação, que Deus é grande", exclamou o polícia. "Estejam em paz e que o Senhor vos acompanhe neste momento de fraqueza", concluiu.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.