Agente da PSP dá sermão bíblico a detidos

Numa esquadra do Porto, um agente da PSP repreende detidos com recurso a passagens bíblicas. O momento foi filmado e o Comando Metropolitano da PSP diz que vai "averiguar"

"Vamos dar as mãos, vamos criar uma corrente de fé", ouve-se o agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) dizer para três detidos - dois homens e uma mulher - numa esquadra do Porto. O momento foi captado num vídeo que o Jornal de Notícias divulgou.

Ao longo de cerca de quatro minutos vê-se o polícia em pé a dar um sermão aos três detidos, sentados e algemados, com recurso a passagens bíblicas. "Sabeis que andais no caminho das trevas. Não é o caminho certo, pois não? Andais em pecado", diz o agente da autoridade num espaço, onde outros polícias estão a trabalhar.

O JN entrou em contacto com o Comando Metropolitano do Porto que disse desconhecer a situação, mas que vai "averiguar" o que aconteceu "procedendo de acordo com os princípios normativos em vigor" na instituição.

Para já o que se sabe é que o vídeo poderá ter sido gravado recentemente, uma vez que é feita uma referência à "época da Quaresma". Perante o silêncio dos detidos, o agente da PSP cita uma passagem da Bíblia, intitulada "Andando na luz". "Deus é luz e acreditando nele não há treva alguma", ouve-se.

"Tu podes alcançar a salvação, podes ver a luz ao fundo do túnel por muito ténue que ela seja. Se vocês todos acreditarem no Senhor, acreditarem na fé, acreditarem no vosso interior, vocês conseguem lá chegar", aconselha o polícia.

O vídeo termina com um pedido do agente aos três detidos. "Vamos dar as mãos, vamos criar uma corrente de fé. Aleluia irmãos. Nesta época da Quaresma, vocês, unidos no caminho das trevas, devem estar unidos no caminho da salvação, que Deus é grande", exclamou o polícia. "Estejam em paz e que o Senhor vos acompanhe neste momento de fraqueza", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".