Agente da PSP absolvido de homicídio negligente

O agente da PSP que estava acusado de ter morto Elson Sanches, conhecido por "Kuku", de 14 anos, na Amadora, após uma perseguição policial, foi absolvido esta quarta-feira do crime de homicidio negligente grosseiro.

O agente, de 37 anos, vinha acusado de um crime de homicídio negligente grosseiro, na forma consumada, com uma moldura penal até cinco anos de prisão, razão pela qual está a ser julgado em tribunal singular e não coletivo.

Nas alegações finais, a magistrada do Ministério Público (MP) e o advogado da família da vítima, João Pedroso, pediram a condenação do agente da PSP, enquanto João Nabais, pela defesa, reclamou a absolvição do seu cliente.

De acordo com a acusação do MP, a 04 de janeiro de 2009 o arguido e mais dois polícias encontravam-se à civil a efetuar uma patrulha na zona da Amadora, com um veículo descaracterizado.

Cerca das 20.50, do interior do Bairro de Santa Filomena saiu um automóvel com quatro homens, conduzido pela vítima e que os agentes confirmaram ser furtado. Ao aperceber-se da presença dos polícias, o jovem parou o carro, largou um dos ocupantes e seguiu em direção a um beco sem saída.

Depois de o carro parar, os três ocupantes puseram-se em fuga, tendo Elson Sanches sido intercetado pelo arguido. Depois de se envolverem numa agressão, ambos acabariam por cair numa vala, em cima de uma plataforma de cimento, onde a vítima continuou a tentar fugir.

Segundo o MP, quando o jovem tentava subir a vala, o arguido ouviu um barulho semelhante ao do manuseamento de uma corrediça de uma arma de fogo e, de imediato, tirou do coldre a sua arma de serviço, de calibre nove milímetros.

Quando a vítima já se encontrava na parte superior da vala, virou-se para trás, em direção ao arguido, com um objeto metálico e brilhante na mão que o agente da PSP, associando ao barulho ouvido, pensou ser de uma arma. Por isso, disparou a uma distância não superior a meio metro, atingindo o jovem na cabeça.

A leitura da sentença está agendada para as 14:00 no 3.º Juízo Criminal de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...