Afinal, o metro de Lisboa pode não ter quatro novas estações

Ministério do Ambiente enviou novo comunicado, onde já não refere estações de metro na Estrela, Santos, Campolide e Amoreiras

O Metro de Lisboa pode, afinal, não ter quatro novas estações até ao final de 2020. Apesar de ter enviado às redações um comunicado dando conta de um investimento de 684 milhões para quatro novas estações na capital - na Estrela, Santos, Campolide e Amoreiras -, o Ministério do Ambiente enviou um segundo comunicado, corrigindo o primeiro, e já sem qualquer referência à localização das novas estações, nem ao número.

Na nova versão, o Ministério informa que, em 2017, está prevista a ampliação do cais da estação de Arroios e a reabilitação das instalações, nomeadamente das escadas mecânicas da estação Baixa-Chiado. Já sobre 2022, o comunicado informa apenas que a rede de metro será aumentada e serão construídas novas estações, sem entrar em detalhes.

"Até 2022, será aumentada a rede e serão construídas novas estações de metropolitano. O plano de desenvolvimento operacional acautela ainda o reforço de material circulante e a contratação de mais colaboradores".

No primeiro comunicado, podia ler-se que, nos próximos cinco anos seriam acrescentados mais "quatro quilómetros" à rede do Metropolitano de Lisboa, esperando-se também um aumento de "12 milhões de passageiros" depois de um investimento de 684 milhões.

Foi precisamente a propósito deste valor que o Ministério de João Pedro Matos Fernandes enviou a correção do comunicado, escrevendo que o valor do investimento estava incorreto. Porém, na segunda nota, não há qualquer referência a este valor.

Na segunda-feira, dia 8, o ministro do Ambiente preside à sessão de apresentação do plano de desenvolvimento operacional da rede do metropolitano de Lisboa. Nesta sessão, que terá lugar na Estação de S. Sebastião II, serão apresentados os investimentos a médio e curto prazo previstos para a rede do metropolitano de Lisboa e, ao que tudo indica, só então ficará esclarecida a informação sobre as novas estação do metropolitano na capital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".