Mau tempo. Aeroportos portugueses sem perturbações significativas

A ANA disse hoje que "são marginais" os impactos do mau tempo no Norte da Europa nos aeroportos de Lisboa e Porto e que continuará atenta à evolução da situação, quando em Portugal se espera um agravamento das condições meteorológicas.

Os aeroportos de Lisboa e do Porto estão hoje com alguns voos cancelados devido ao mau tempo no Norte da Europa, nomeadamente voos de e para Reino Unido e Suíça, segundo a página da ANA - Aeroportos de Portugal na internet.

Contudo, de acordo com fonte oficial da ANA, "não há impactos significativos" na operação, acrescentando que a situação está a ser "acompanhada de forma próxima".

O mau tempo atingiu hoje o Norte da Europa, tendo sido registados nevões, o que levou no Reino Unido ao fecho temporário dos aeroportos de Birmingham e Luton.

Em Portugal continental prevê-se um agravamento do estado do tempo ao final da tarde de hoje - com chuva, neve e vento forte - devido à passagem de uma tempestade.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil informou hoje, após contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que o período mais crítico dos efeitos da tempestade deverá ser entre as 18:00 de hoje e as 06:00 de segunda-feira.

A ANA estima fazer um novo ponto da situação pelas 22:00 (hora de Lisboa).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.