Aeroporto com espera média de uma hora em julho

Quem aterrou no Aeroporto Humberto Delgado a 9 de julho chegou a esperar duas horas e 20 minutos para passar no controlo do SEF

Os passageiros que desembarcaram no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, durante o mês de julho, esperaram em média uma hora para passar no controlo do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Em 13 dias do mês (41,9% do total) essa espera foi superior a 60 minutos, em quatro casos passou os 90. E houve um dia, 9 de julho, em que o valor máximo de espera pelo controlo dos documentos à chegada a Lisboa chegou às duas horas e 20 minutos.

Os dados da ANA relativos ao mês de julho, a que o DN teve acesso, mostram poucas alterações em comparação com o mês anterior, que registou já tempos de espera de cerca de uma hora. O pico máximo é, no entanto, superior ao registado no mês passado. No início do ano, a ministra Constança Urbano de Sousa definiu que uma das "metas operacionais" do SEF para este ano passa por "fixar em menos de 40 minutos o tempo máximo de espera de processamento no controlo de fronteiras".

Questionado pelo DN sobre estes tempos de espera, o SEF argumenta que "ao longo dos últimos três anos houve um aumento muito significativo de passageiros em todos os aeroportos com ligações internacionais e em especial no aeroporto de Lisboa", onde se registou um aumento de passageiros controlados na ordem "dos 32%". Por outro lado, elenca o SEF, "aumentaram os voos de longo curso, representando um maior número de aeronaves com elevada capacidade de transporte" - o que implica o "desembarque ao mesmo tempo de um maior número de passageiros". Acresce que "as rotas são mais complexas, requerendo análises de risco mais elaboradas". Tudo situações que concorrem para uma maior demora, que é geral, diz o SEF - "o aumento dos tempos de espera não se verifica apenas no aeroporto de Lisboa, mas noutros aeroportos europeus". Reconhecendo o aumento, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras defende, no entanto, que os números registados pela ANA são "máximos de picos " - "No dia-a-dia a maioria dos passageiros passa o controlo de fronteira em tempo muito inferior." O SEF diz ter, atualmente, 230 elementos afetos a esta tarefa, contra 195 no verão passado.

Greve a 24 e 25 de agosto

Para Acácio Pereira, presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF, o que se passa no aeroporto de Lisboa "é um problema estrutural" que se prende, em primeira linha, com a falta de efetivos que permitam dar resposta ao aumento de passageiros. Esta é uma das reivindicações inscritas no pré-aviso de greve entregue pelo sindicato para os próximos dias 24 e 25 de agosto, que Acácio Pereira antevê já como dias "muito difíceis" no aeroporto.

Entre outras medidas, o sindicato exige a "abertura imediata do concurso externo de admissão à carreira de investigação e fiscalização do SEF, negociado há ano e meio e que continua parado no Ministério das Finanças". O DN questionou o Ministério da Administração Interna sobre se já tem resposta, ou um prazo de resposta, quanto a esta matéria. Segundo o MAI "ainda não há data prevista" para a abertura do concurso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.