Advogados rejeitam lei que os obriga a denunciar clientes

Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados, que representa metade destes profissionais no país, é unânime na rejeição à nova lei de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo

Incompatível com o exercício da profissão. É este o veredicto dos advogados de Lisboa sobre a nova lei de combate ao branqueamento de capitais que "põe em causa a advocacia livre e independente, mas acima de tudo, o direito dos cidadãos de acesso ao direito e à justiça, o qual só existirá verdadeiramente se os advogados não estiverem sujeitos a um dever permanente de comunicação sistemática das atividades dos seus constituintes às autoridades de investigação e de controlo financeiro".

Reunido, o Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados deliberou por unanimidade "reafirmar o seu compromisso com a defesa dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos e dos valores da advocacia livre e independente", lê-se no comunicado enviado ao DN.

"Tais valores e princípios são postos em causa por esta lei e incompatíveis com o desempenho da advocacia como a conhecemos até aqui", afirma António Jaime Martins, frisando que, ao contrário de auditores, revisores oficiais de contas e contabilistas - que têm o dever de revelar às autoridades judiciárias e tributárias as operações em que intervenham a pedido dos seus clientes -, aos advogados compete "salvaguardar em qualquer circunstância o dever de segredo".

Os advogados de Lisboa acusam o Estado de confundir o papel dos intervenientes na justiça ao querer fazer dos advogado delatores. "Às polícias criminais e ao Ministério Público compete investigar e acusar, aos advogados compete defender os cidadãos das imputações injustas e desproporcionadas", defendem. E lembram que é aos advogados que cabe identificar situações concretas nas quais "estão (ou não) obrigados ao dever de comunicação de informação sensível dos seus clientes - e tais situações têm de ser precisamente definidas com a sua Ordem e com todos os profissionais".

Dada a posição tomada, os advogados de Lisboa sugerem que se estude "com as entidades competentes os ajustes claros de que esta nova lei carece" e que se crie um grupo de trabalho na Ordem para monitorizar de forma permanente a aplicação da lei, com vista à salvaguarda do sigilo profissional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.