Advogados estagiários obrigados a pagar para terem direito a reforma

Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores obriga recém-licenciados a pagar 26,46 euros por mês. Pagamento a que já eram obrigados desde 2015 mas que não acontecia porque a OA não enviava a lista de estagiários.

Os advogados estagiários vão ser obrigados a pagar uma contribuição mensal de 26,46 euros à Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS) para terem direito à reforma no futuro. Obrigação essa que começa na segunda fase do estágio (um ano depois do início) e apenas e só se tiverem atividade aberta nas finanças.

Até aqui os recém-licenciados não o faziam porque o Regulamento da CPAS não os obrigava, já que isentava os advogados do pagamento da contribuição mensal nos primeiros três meses de atividade. Desde que foi alterado este mesmo diploma - em 2015 - que os estagiários passaram a ter de pagar essa mesma contribuição. Mas a Ordem dos Advogados não notificava a CPAS das inscrições dos estagiários. Agora, a nova direção da Caixa de Previdência - que tomou posse em janeiro deste ano - enviou um comunicado interno à classe em que esclarece que a situação de não pagamento acaba agora. "O Regulamento da CPAS estipula que logo que os estagiários advogados e solicitadores/ agentes de execução se inscrevam nas respetivas ordens profissionais ficam obrigatoriamente inscritos na CPAS, como beneficiários. Esta estipulação legal vinha sendo violada desde 2015, por razões alheias à CPAS", diz o comunicado, assinado pelo presidente António Costeira Faustino.

Porém, apesar desta obrigação legal de inscrição, os estagiários apenas terão de contribuir na segunda metade do estágio e (apenas e só) "se no decurso de tal período procederem à entrega da declaração de início de atividade para efeitos fiscais". Ou seja, os únicos advogados estagiários que passam a pagar serão os que têm atividade aberta nas Finanças. "É importante enfatizar que o esforço contributivo dos beneficiários estagiários é altamente valorizado pelo regime atualmente em aplicação. Por um lado, com o pagamento de contribuições os beneficiários em causa ficam imediatamente abrangidos por um [o seu] regime de proteção social, dando início a uma carreira contributiva que lhes dará acesso a uma pensão de reforma", explica o comunicado assinado por António Faustino.

O DN contactou a Associação Nacional de Jovens Advogados, liderada por José Costa Pinto, que defende que esta norma "desconsidera a realidade portuguesa em matéria de retribuição dos advogados estagiários".

O líder dos jovens advogados acrescenta que "é uma opção que ignora a simples circunstância dos estagiários poderem nunca vir a ser advogados e, assim, nunca virem a beneficiar das contribuições que realizaram, uma vez que também não as poderão resgatar".

Desde janeiro que os advogados e solicitadores passaram a pagar, no mínimo, 211,66 euros de contribuição mensal à CPAS. Tal significa que a partir dessa altura o escalão mínimo obrigatório (quinto escalão) passou a ter como valor de contribuição o montante de 211,66 euros, significando um aumento de 31,46 euros face ao montante em vigor até dezembro de 2016. Um aumento de 17,46%. E com um aumento progressivo anual (até 2020 estará nos 24%) que fará que um advogado daqui a quatro anos pague cerca de 288 euros por mês, independentemente do seu ordenado.

O novo regulamento entrou em vigor em duas fases. A primeira em julho de 2015 e a segunda, que se iniciou neste ano. E é precisamente esta segunda fase que foi e está a ser alvo de maior contestação por parte da classe da advocacia, já que pesará mais nos bolsos dos 29 mil profissionais. Para o final do mês está inclusive marcada uma assembleia geral de advogados para discutir possíveis alterações a este diploma.

Para "analisar" estas regras foi criado um grupo de trabalho com elementos do Ministério da Justiça, do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e da Ordem. O novo regulamento prevê ainda que as reformas só serão permitidas a partir dos 65 anos (e não aos 60, como acontecia antes de 2015).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.