Multinacional General Electric constituída arguida por surto de legionela

Catorze pessoas morreram e mais de 400 foram internadas devido a um surto de legionela, em novembro de 2014

A multinacional General Electric foi constituída arguida no processo aberto na sequência do surto de legionela em Vila Franca de Xira, em novembro de 2014. O surto de Vila Franca de Xira foi o terceiro maior do mundo, com 14 mortes e 402 pessoas infetadas.

A General Electric fazia a manutenção das torres de arrefecimento da Adubos de Portugal, que estiveram na origem do surto - a empresa também é arguida no mesmo caso.

Alguns dias depois do início do surto, o diretor-geral de saúde, Francisco George, revelou que as bactérias encontradas em doentes com legionela eram semelhantes às detetadas numa torre de refrigeração da empresa. A fábrica esteve parada mais de um mês até ser autorizada a produção.

Contactada pela Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) apenas disse que o inquérito se encontra "em investigação e envolve recolha e análise de prova que se tem vindo a revelar como muito complexa e exames periciais igualmente de grande complexidade, alguns deles complementares a outros já realizados mas essenciais para a descoberta da verdade".

A agência Lusa questionou a PGR sobre quantos arguidos tinha até ao momento este caso, mas não obteve resposta em tempo útil.

A Lusa contactou ainda o advogado da Adubos de Portugal, José Eduardo Martins, que apenas afirmou não ter declarações a fazer, tal como a assessoria de imprensa da empresa."Não confirmo nem desminto. Não tenho qualquer declaração a fazer por parte do meu cliente", afirmou o advogado. Também o advogado da General Electric, Paulo da Matta, não quis comentar, alegando que o processo se encontra em segredo de justiça

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.