Multinacional General Electric constituída arguida por surto de legionela

Catorze pessoas morreram e mais de 400 foram internadas devido a um surto de legionela, em novembro de 2014

A multinacional General Electric foi constituída arguida no processo aberto na sequência do surto de legionela em Vila Franca de Xira, em novembro de 2014. O surto de Vila Franca de Xira foi o terceiro maior do mundo, com 14 mortes e 402 pessoas infetadas.

A General Electric fazia a manutenção das torres de arrefecimento da Adubos de Portugal, que estiveram na origem do surto - a empresa também é arguida no mesmo caso.

Alguns dias depois do início do surto, o diretor-geral de saúde, Francisco George, revelou que as bactérias encontradas em doentes com legionela eram semelhantes às detetadas numa torre de refrigeração da empresa. A fábrica esteve parada mais de um mês até ser autorizada a produção.

Contactada pela Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) apenas disse que o inquérito se encontra "em investigação e envolve recolha e análise de prova que se tem vindo a revelar como muito complexa e exames periciais igualmente de grande complexidade, alguns deles complementares a outros já realizados mas essenciais para a descoberta da verdade".

A agência Lusa questionou a PGR sobre quantos arguidos tinha até ao momento este caso, mas não obteve resposta em tempo útil.

A Lusa contactou ainda o advogado da Adubos de Portugal, José Eduardo Martins, que apenas afirmou não ter declarações a fazer, tal como a assessoria de imprensa da empresa."Não confirmo nem desminto. Não tenho qualquer declaração a fazer por parte do meu cliente", afirmou o advogado. Também o advogado da General Electric, Paulo da Matta, não quis comentar, alegando que o processo se encontra em segredo de justiça

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.