Adoção de animais no canil de Coimbra triplicou

Número triplicou nos últimos seis meses, com mais de um animal a ser adotado por dia.

O número de cães e gatos adotados nas instalações do canil e gatil municipal de Coimbra triplicou nos últimos seis meses, após aquele organismo ter passado a promover ações de maior visibilidade, disse fonte da autarquia.

De acordo com dados divulgados hoje pela autarquia, nos primeiros cinco meses do ano o número de animais adotados cifrou-se nos 62, sensivelmente um a cada três dias, mas nos seis meses seguintes o número atingiu os 243, mais de um animal adotado por dia.

Em declarações à agência Lusa, Francisco Queirós, vereador da CDU no executivo de maioria socialista, assinalou o aumento de animais adotados, destacando iniciativas como um programa de esterilizações, a criação de uma página do canil municipal na rede social Facebook ou a abertura das instalações, ao fim de semana, para visitas.

Apesar do aumento do número de adoções, o autarca defende a construção de um novo espaço "essencial e especialmente dedicado às adoções" no Centro Municipal de Recolha Oficial de Animais de Companhia de Coimbra, que tutela, frisando que essa proposta se encontra em estudo.

"Precisamos de aumentar a capacidade das instalações de animais para adoção, fora das atuais instalações, porque as que temos são exíguas", frisou Francisco Queirós.

Ainda de acordo com o autarca, o número de animais abandonados junto às instalações municipais teve um "crescimento exponencial" em 2014, passando de um total de 152 cães e gatos em 2013 para 228 até dia 25 de novembro.

O vereador defende ainda a realização de obras de melhoria das instalações do canil municipal, cuja recuperação "aguarda disponibilidade financeira para avançar" e o alargamento do programa de esterilizações "a um custo mais baixo para residentes no concelho com fracos recursos económicos", bem como a disponibilização de cuidados básicos veterinários "a custos reduzidos".

"O canil não pode fazer concorrência às clínicas, mas pode sim, em parceria com os médicos veterinários e associações, desenvolver programas que permitam mais fácil acesso a pessoas com mais baixos recursos", argumentou o vereador.

Por outro lado, a autarquia pretende manter e alargar a política de divulgação do canil municipal, com ações junto dos jardins-de-infância e promoção de visitas de escolas do concelho. "Vamos insistir da adoção de animais e queremos dar uma imagem de que os nossos serviços estão abertos à comunidade", sustentou Francisco Queirós.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.