Adiada decisão sobre julgamento de Vale e Azevedo

A notificação tardia de dois assistentes no julgamento de Vale e Azevedo, acusado de alegado peculato de quatro milhões de euros do Benfica, adiou, para a próxima terça-feira, a decisão do tribunal em continuar ou suspender as sessões.

A 3.ª Vara Criminal teve dificuldades na notificação dos dois assistentes, para se pronunciarem sobre requerimento apresentado por Vale e Azevedo a 18 de dezembro, com o intuito de cessar o julgamento.

Vale e Azevedo, que também é indiciado de branqueamento de capitais e falsificação de documento neste processo, alega que "não pode ser sujeito a procedimento penal, por infração diferente e praticada em momento anterior" à sua extradição para Portugal, a 12 de novembro.

Os dois assistentes no processo, sócios do Benfica, foram notificados apenas na segunda tentativa, a 4 de janeiro, depois das férias judiciais, pelo que o prazo de 10 dias para se pronunciarem termina esta semana, significando que a decisão do coletivo de juízes de continuar ou não o julgamento, prevista para hoje, foi adiada.

Caso continuem as audiências na 3.ª Vara Criminal, cujo coletivo é presidido por José Manuel Barata, a advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, já anunciou que impugnará o acórdão.

A audiência de hoje foi preenchida com a inquirição a dois inspetores-chefe da Polícia Judiciária, que estiveram envolvidos na investigação a Vale e Azevedo.

Eurico Cruz lembrou a transferência do futebolista Amaral para a Fiorentina e disse que, dos 3,5 milhões de dólares pagos pelo clube italiano, dois milhões eram destinados ao Benfica.

"Os dois milhões não constavam da contabilidade do Benfica e da conta-corrente que Vale e Azevedo dizia que tinha", disse.

O inspetor-chefe Sacramento Monteiro também disse que se tentou identificar o circuito dos dois milhões de dólares, mas que se apurou apenas terem "350 mil dólares sido transferidos para a sociedade de advogados de Vale e Azevedo e 500 para uma conta na Suíça" de que o antigo presidente do Benfica era o titular.

"A outra parte do dinheiro não se sabe", afirmou, recordando ainda que existiram dois contratos de venda de direitos desportivos de Scott Minto para o West Ham, um do clube inglês, que "era verdadeiro", e o do Benfica.

O agente da polícia de investigação sublinhou que, no contrato do Benfica, "foi omitido parágrafo de 500 mil libras", quando o valor de venda dos direitos desportivos, "que era verdade, foi de 1.250 libras".

Sacramento Monteiro afirmou que as 500 libras se destinaram "ao pagamento da terceira tranche do iate Lucky Me" e confirmou que Vale e Azevedo adquiriu o barco.

Referiu-se ainda à transferência de Gary Charles para o West Ham, garantindo que "as 1.200 libras não estavam contabilizados no Benfica e que o montante foi depositado em conta da sociedade de advogados de Vale Azevedo".

Presidente do Benfica de 1997 a 2000, Vale e Azevedo comunicou ao tribunal a intenção de não comparecer neste julgamento, ao abrigo de prerrogativa, no âmbito da extradição de Londres para Portugal.

O antigo presidente do Benfica aguarda a decisão da liberdade condicional no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.