Acusado de homicídio qualificado por degolar mulher

O Ministério Público (MP) acusou um homem de 26 anos de homicídio qualificado na forma consumada, por ter degolado a esposa na sequência de uma discussão devido à rutura da relação do casal, que residia em Samora Correia.

No despacho de acusação, a que a Agência Lusa teve acesso, na noite de 11 de setembro do ano passado, durante uma discussão relativa à rutura do casamento, o arguido desferiu vários golpes na mulher, com uma faca de cozinha de 33 centímetros de cumprimento.

Bouna Sackho esfaqueou Helmina Biem várias vezes no pescoço, acabando por a degolar. A vítima sofreu também ferimentos na zona do dorso e nos membros superiores. Segundo o MP as lesões no pescoço e no dorso provocaram a morte da mulher.

A acusação sustenta que as circunstâncias e o modo de atuação são especialmente censuráveis, uma vez que a vítima foi agredida no quarto do casal, quando se encontrava nua e vulnerável.

A esposa ainda tentou fugir e defender-se das agressões do marido, como demonstram os ferimentos nas mãos e nas costas, defende o MP. Acrescenta que o arguido agiu de modo livre, deliberado e consciente com o propósito de matar a esposa, o que veio a conseguir.

De acordo com o despacho de acusação, o agressor estava ciente de que os seus atos eram proibidos por lei e especialmente censuráveis, mas essas razões não o demoveram de praticar o crime.

Bouna Sackho encontra-se em prisão preventiva e está acusado pelo Ministério Público de um crime de homicídio qualificado na forma consumada, punível com pena de prisão de 12 a 25 anos.

O início do julgamento está agendado para 24 de maio, pelas 09:30, no Tribunal de Benavente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.