Actividade sísmica em São Miguel diminui mas com picos de libertação de energia

Desde as 23:47 de domingo foram registadas várias centenas de microssismos com epicentro entre as lagoas do Fogo e das Furnas

A atividade sísmica na parte central de São Miguel, nos Açores, continua ligeiramente acima dos valores de referência, mantendo uma tendência decrescente, pontualmente perturbada por alguns picos de maior libertação de energia, anunciou hoje a Proteção Civil.

Em comunicado, o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) refere que segundo o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), entre as 00:00 e as 08:00 locais (mais uma hora em Lisboa) de hoje foram registados apenas alguns eventos de magnitude inferior a 3 na escala de Richter, não havendo notícia de qualquer evento sentido esta terça-feira.

"A atividade sísmica na parte central da ilha de S. Miguel, mais concretamente entre as lagoas do Fogo e do Congro, continua ligeiramente acima dos valores de referência, mantendo uma tendência decrescente, pontualmente perturbada por alguns picos de maior libertação de energia", refere o comunicado divulgado hoje de manhã.

A Proteção Civil açoriana adianta ainda que o último evento sentido foi registado às 19:27 locais (mais uma hora em Lisboa) de segunda-feira, com uma intensidade máxima II/III na escala de Mercalli Modificada na freguesia das Furnas.

Desde as 23:47 de domingo foram registadas várias centenas de microssismos com epicentro entre as lagoas do Fogo e das Furnas, na sua maioria de magnitude inferior a 3 na escala de Richter.

O SRPCBA em conjunto com o CIVISA referem ainda que continuam a acompanhar o evoluir da situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.