Despiste de autocarro ocorreu com "condições adversas" em zona perigosa

A Proteção Civil afirma que o despiste, em que morreu um rapaz de 20 anos, ocorreu "com condições adversas" numa estrada "sempre perigosa e numa zona com muita sinistralidade"

O despiste com um autocarro que transportava estudantes hoje no IP2, no concelho de Nisa, distrito de Portalegre, aconteceu com "condições adversas" e numa zona com "muita sinistralidade", segundo a Proteção Civil.

"Com condições adversas, com muita chuva", o autocarro despistou-se pelas 17:56 e fez um capotamento lateral

Segundo o comandante distrital de operações de socorro de Portalegre, Rui Conchinha, o acidente, em que morreu um rapaz de 20 anos, ocorreu no nó de Arez e a Barragem de Fratel do IP2, uma estrada "sempre perigosa e numa zona já com muita sinistralidade".

"Com condições adversas, com muita chuva", o autocarro despistou-se pelas 17:56 e fez um capotamento lateral, descreveu Rui Conchinha.

O autocarro transportava, além do motorista, 48 passageiros, sobretudo jovens entre os 18 e os 23 anos provenientes da Covilhã e de Belmonte, que estavam a regressar de uma viagem de finalistas a Espanha

Questionado sobre as causas do acidente, o comandante distrital de Portalegre disse que as "equipas de peritos da Brigada de Trânsito estão no local a fazer a respetiva peritagem e só eles é que se poderão pronunciar nesse sentido".

O autocarro transportava, além do motorista, 48 passageiros, sobretudo jovens entre os 18 e os 23 anos provenientes da Covilhã e de Belmonte, que estavam a regressar de uma viagem de finalistas a Espanha, segundo fontes da Proteção Civil e da GNR de Portalegre.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre, o acidente provocou a morte de um rapaz de 20 anos, quatro feridos graves e 29 feridos ligeiros.

Os restantes 15 ocupantes "foram transportados para Nisa para serem acolhidos pelo Serviço Municipal de Proteção Civil e foram deslocados em autocarro", precisou Rui Conchinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.