Três feridos em queda de estrutura na Porto Editora

O alerta foi dado às 11h10 e os meios de emergência permanecem no local

Três trabalhadores ficaram hoje com ferimentos ligeiros em resultado da queda de uma estrutura nas instalações da Porto Editora na Maia, sendo assistidos no local, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros (CDOS) do Porto.

"Há três feridos ligeiros a serem assistidos na sequência da queda de uma estrutura da Porto Editora da Maia", declarou fonte do CDOS do Porto, acrescentando que o alerta para a ocorrência associada ao mau tempo, foi registado às 11:10.

Em declarações à Lusa, Paulo Gonçalves, assessor da Porto Editora, adiantou que os feridos ligeiros foram encaminhados, "por precaução", para o Hospital de São João, no Porto. Disse ainda que os 150 trabalhadores da unidade só retomam a atividade quando estiverem garantidas todas as condições de segurança.

No Grande Porto e devido ao mau tempo, o CDOS registou hoje "várias dezenas" de outras ocorrências como inundações, quedas de árvores e de chapas das fachadas de habitações, designadamente na Avenida da Boavista.

Na área da Polícia Marítima, desde Caminha até à Figueira da Foz "não há nenhum relato de ocorrências graves", disse à Lusa Rodrigues Campos, comandante do Porto do Douro e responsável em receber informações dos vários portos marítimos no Norte e parte do Centro.

No local estão os Bombeiros de Moreira da Maia, que receberam o alerta às 11h00, assim como outros meios de emergência, que não foram especificados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.