A14 cortada ao trânsito nos dois sentidos

A Brisa decidiu "fazer o corte total" da circulação automóvel.

A autoestrada que liga Coimbra à Figueira da Foz (A14) foi hoje cortada ao trânsito nos dois sentidos, na sequência do aluimento do piso, na zona de Montemor-o-Velho, ocorrido no sábado.

A Brisa, concessionária da via, decidiu "fazer o corte total" da circulação automóvel na A14 entre Montemor-o-Velho e Vila Verde, disse à agência Lusa fonte da empresa.

O trânsito foi totalmente interrompido pelas 08:30 de hoje, referiu a mesma fonte, considerando que "a situação evoluiu para a hipótese com maior impacto", que é a interdição total do trânsito.

A concessionária mantém a previsão de serem necessárias seis a sete semanas para reparar a via e restabelecer a normalidade da circulação, embora ainda não disponha de todos os dados necessários para poder adiantar um prazo com mais rigor.

"A Brisa vai trabalhar para resolver a situação o mais rapidamente possível", sublinhou.

O piso da A14 na zona de Montemor-o-Velho aluiu, no sábado, pelas 17:44, sem provocar feridos ou danos materiais em viaturas, mas obrigando à interrupção do trânsito no sentido Coimbra-Figueira da Foz e à circulação limitada a uma via no sentido contrário.

Durante a noite, os técnicos da Brisa deslocados para o local concluíram pela necessidade de encerrar o trânsito nos dois sentidos.

Uma alternativa àquela via é a A17, entre a Figueira da Foz e Louriçal, o IC8 até Pombal e, depois, a A1.

A alternativa natural à A14 seria a antiga Estrada Nacional (EN) 111, mas esta via também está interrompida, devido a obras, restando a possibilidade de adotar trajetos secundários, normalmente conhecidos por estradas do campo.

A Câmara da Figueira da Foz, responsável pelo troço da antiga EN111 em obras, vai tentar criar condições para que seja possível utilizar esta via no mais breve curto espaço de tempo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.