A Revolução dos Cravos e a geringonça estão no mesmo campeonato?

Há 43 anos, o 25 de Abril deu o pontapé de saída na chamada "3.ª vaga de democratização" mundial. Será que o entendimento atual das esquerdas pode ter efeitos iguais de contágio?

Carlos Jalali, cientista político, pede calma nas análises. Sim, é certo, a forma como a "geringonça" está a funcionar em Portugal - até pelos resultados económicos que tem obtido, razoáveis na maior parte dos itens - tem suscitado "atenção e muito interesse" no estrangeiro, sobretudo por essa Europa fora.

Mas, acrescenta, é errado dizer que pode ter agora e para os próximos anos um efeito de contágio noutros países como o 25 de Abril de 1974 teve, "por emulação", na democratização de outros regimes

O primeiro-ministro, António Costa, com o coronel Vasco Lourenço, um dos símbolos do 25 de Abril

"Não, o 25 de Abril e a geringonça não estão no mesmo campeonato", diz Jalali, sublinhando que o efeito da revolução que os capitães fizeram em Portugal foi enorme, dando início aquilo que Samuel Huntington definiria como a "3.ª vaga de democratização" do mundo, com as democratizações logo a seguir de Espanha e da Grécia, depois passando para a América Latina e acabando na queda do Muro de Berlim, com toda a Europa de Leste a libertar-se do jugo do socialismo científico imposto a partir de Moscovo.

E a solução política atual, acrescenta, podendo e sendo de facto inovadora em Portugal e interessante para estudo internacional, não tem esse peso de facto "revolucionário" que o 25 de Abril teve (porque demonstrou, por exemplo, que eram possíveis mudanças estruturais de regime sem derramamento de sangue e sem que de uma ditadura se passasse necessariamente para outra de sinal oposto).

Além do mais, assinala Jalali - mas também um outro cientista político ouvido pelo DN, António Costa Pinto -, o problema é que o entendimento português das esquerdas assenta na existência de um PS que permanece eleitoralmente forte (32,3%). E implica também uma outra raridade europeia, a existência de um partido comunista com quase dez por cento de votos (8,25%, nas últimas legislativas).

Esta "geometria" é rara para não dizer inexistente na Europa e isso dificulta replicações da experiência - sabendo-se, além do mais, que, como o PCP gosta de dizer, cada solução política resulta sempre a correlação de forças entre as suas componentes.

"Talvez - admite Jalali - na Alemanha o SPD [partido homólogo do PS português] venha a conversar com o Die Linke ["A esquerda", partido que pode ser considerado aparentado com o Bloco de Esquerda]." Mas - acrescenta Costa Pinto - é difícil que essa possibilidade de entendimentos se entenda por exemplo para Espanha, onde os equivalentes locais do PS e do BE - o PSOE e o Podemos - têm forças eleitorais "muito parecidas [na ordem dos vinte e poucos por cento]" sendo portanto, antes do mais, "partidos concorrenciais". Assim, diz Costa Pinto - como Jalali - "não é perspetivável que a geringonça tenha um efeito inovador como o 25 de Abril teve". E aliás, sublinha, o próprio facto de as esquerdas só se terem conseguido entre si um acordo de governação mais de 41 anos depois da revolução é em si mesmo "um legado do 25 de Abril", ou seja, do brutal combate que o PS e o PCP travaram entre si em defesa de modelos de regime e de economia tudo menos compatibilizáveis.

Os dois cientistas políticos relativizam então a possibilidade de a "geringonça" vir a ter um peso estrutural relevante na evolução dos regimes europeus e não alimentam comparações com o 25 de Abril.

Ora um histórico socialista ouvido pelo DN, Manuel Alegre, não alinha exatamente nessa relativização. O entendimento das esquerdas - diz - "é um exemplo, uma solução pioneira única", algo que sem dúvida deveria colocar o PS português como objeto de referência por essa Europa fora, porque "compreendeu os desastres" de partidos irmãos na UE e soube responder-lhes, inovando - e com isso sobrevivendo.

Não há dúvidas para o poeta de que hoje será homenageado com leituras dos seus poemas na residência oficial do primeiro-ministro: "A geringonça é, depois do 25 de Abril, o facto político mais relevante deste pequeno retângulo a que chamamos Portugal." E uma das explicações para esse carácter relevante e inovador é que, tal como aconteceu em 1974, em 2015 os respetivos protagonistas - Costa, Jerónimo, Catarina e os seus partidos - "não pediram licença a ninguém" para fazerem o que fizeram.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.