A Páscoa é o Natal dos carteiristas em Lisboa

O maior perigo são as romenas que se infiltram nos grupos de turistas e atacam enquanto espreitam o mapa aberto da cidade. Na Páscoa de 2014, houve 142 queixas na capital.

Se está em Lisboa neste período, pretende visitar monumentos e andar de elétrico na Baixa, tenha muito cuidado. À sua frente, ou atrás de si, pode estar uma bela turista com um mapa aberto da cidade e ser, na realidade, uma carteirista profissional. Enquanto finge espreitar pelo mapa enorme, a sua mão fica oculta para poder abrir uma mala e levar uma carteira, Normalmente, haverá outras duas amigas da atacante "infiltradas" na fila para criarem uma manobra de diversão para que a fuga do local seja mais rápida, explicou ao DN fonte ligada à investigação policial do carteirismo.

Só em Lisboa aconteceram 142 dos 191 furtos de carteira na Páscoa participados o ano passado, segundo dados revelados ao DN pelo comando metropolitano da PSP de Lisboa.

As denúncias apresentadas nas duas esquadras de turismo da capital (Lisboa, nos Restauradores, e Cascais) foram 7506 no ano passado, o que representa um aumento de 39%. Esta atividade manhosa está em mutação e expansão, apesar de serem cada vez mais os detidos pela polícia. No ano passado, houve mais 202% de carteiristas detidos em Lisboa do que em 2013.

A partir de hoje a PSP acompanhará uma patrulha da polícia espanhola, que está em Lisboa para acompanhar os turistas espanhóis que afluem à capital portuguesa nesta época.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.