A mais faustosa receção do século XX

À procura de legitimação internacional, Salazar abriu os cordões à bolsa para receber a rainha britânica em 1957

Isabel II ocupava o trono há apenas cinco anos quando, a 18 de fevereiro de 1957, desembarcou no Terreiro do Paço para a mais faustosa e aplaudida visita de um chefe de Estado a Portugal durante o século XX. O habitualmente poupado António de Oliveira Salazar não olhou a custos para receber a rainha de Inglaterra. Com o regime a sofrer uma crescente pressão internacional por causa da política colonial do país, o presidente do Conselho quis fazer da visita da monarca britânica um momento de legitimação perante a comunidade internacional. Isabel II foi recebida por uma multidão logo no Terreiro do Paço e em todo o cortejo por Lisboa. Milhares de lisboetas apinhavam-se nas ruas para ver passar a rainha - Marcelo e, antes, Cavaco, já vieram dizer que estavam entre a multidão. Uma receção que se repetiu na passagem de Isabel II por várias cidades do país, caso do Porto. A ajudar à projeção da visita, a estada de Isabel II em Portugal foi o primeiro grande acontecimento acompanhado pela recém criada RTP.

Isabel II retribuía a visita oficial a Londres feita, dois anos antes, pelo presidente da República, Craveiro Lopes. A rainha voltará a Portugal em março de 1985, a convite do então Presidente, Ramalho Eanes. No plano inverso, além de Eanes (em 1978) também Mário Soares esteve no Reino Unido em 1993, enquanto Jorge Sampaio foi recebido por Isabel II no Palácio de Buckingham em 2002.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.