A maior fuga de sempre envolveu 124 presos e um túnel de 35 metros

A última evasão prisional, de dois presos de Leiria, parece uma brincadeira quando comparada com a maior fuga coletiva, de 124 presos, em 1978, ou a dos Cavacos de Pinheiro da Cruz, em 1986.

O que tem escavar um buraco na parede? Pega-se numa pá e escava-se, qualquer um pode fazê-lo. O cenário complica-se se nos virmos confinados a uma cela minúscula, sem saber a distância que há para a liberdade para lá das paredes e sem acesso fácil a uma simples pá. Dois jovens reclusos da prisão escola de Leiria ressuscitaram há uma semana o clássico método do buraco escavado na parede da cela. Conseguiram sair da prisão, mas falharam o objetivo final, pois foram recapturados.

Mas esta última fuga, protagonizada por rapazes imitadores dos velhos escapistas, envolveu pouco engenho, quando comparada com aquela que continua a ser a maior fuga coletiva de sempre, em Portugal, quando 124 reclusos da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre, no dia 17 de julho de 1978, escaparam à prisão através de um túnel de 35 metros e de 80 centímetros de diâmetro.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.