A geringonça vista pelo povo comunista na Festa do Avante!

Camaradas anónimos consideram positiva a solução política vigente e acreditam na "boa vontade" dos líderes políticos da esquerda

Muitos já opinaram sobre a solução governativa que, há 10 meses, juntou o PCP aos dois inimigos figadais da esquerda, PS e BE. Mas o que pensam os comunistas anónimos, sejam ou não militantes de base, a quem Jerónimo de Sousa quis explicar o porquê dessa aliança na abertura da Festa do Avante, que hoje termina no Seixal?

"Acho que a geringonça já devia ter existido há mais tempo, ter-se-iam evitado males maiores", diz a militante Fernanda Espada ao DN momentos antes de o secretário-geral do PCP fazer a intervenção inaugural da festa que anualmente junta dezenas de milhares de comunistas na Quinta da Atalaia (e a partir de agora também na Quinta do Cabo).

Septuagenária que presidiu à Associação de Amizade Portugal-Cuba e trabalhou numa loja de produtos naturais, Fernanda Espada reconhece igualmente o contributo do Bloco de Esquerda: "Tem ideias novas, atrai gente nova... não vejo isso como uma coisa negativa, agora tem de haver cuidado para não criar feridas que levam alguns a afastar-se."

Maria Fernanda Ventura, antiga secretária da CP que agora preside à Associação de Mulheres com Patologia Mamária e chegou à Festa do Avante! na companhia do marido, saúda o facto de o PS ter conseguido formar governo com o apoio do PCP e do BE (e dos Verdes) e confessa não estar surpresa com a sua duração. "É uma questão de inteligência, de as pessoas serem capazes de conviver com as divergências e saberem" que as convergências são mais importantes.

"Tenho esperança que [a geringonça] consiga" durar toda a legislatura, mas eles é que têm de ver o que é possível. De fora, talvez gostássemos de uma solução mais rápida" para cumprir os objetivos definidos pelo partido, "mas eles é que sabem porque estão lá dentro", assinala Maria Fernanda Ventura, enquanto por trás passa uma mãe a perguntar ao filho se quer "ir beber alguma coisa a Braga" e depois se dirige com ele pela mão para o respetivo pavilhão.

"O novo quadro político"

"Esta solução política é melhor do que a anterior, para todos os efeitos", argumenta o reformado Luís Ribeiro, 64 anos. "Não concordo com tudo, mas não tenho queixas [e] o mais importante é haver um entendimento" do que a direita voltar ao poder, sublinha o antigo funcionário de uma empresa de segurança, confiante em que PS, BE e PCP consigam "mostrar que é possível continuar o mesmo programa porque, no momento atual, será o melhor possível".

Talvez para dissipar dúvidas, o PCP tem no pavilhão central da Festa do Avante! uma exposição sobre "O novo quadro político" surgido após a "pesada herança [de] 40 anos de política de direita e 30 anos de adesão à CEE" - onde elenca "o que foi alcançado com o contributo" ou "por proposta" do Partido e se traduziu em "um orçamento [de Estado] diferente para melhor": eliminação dos cortes salariais aos funcionários públicos; aumento do salário mínimo (e do abono de família, do complemento solidário do idoso, do rensimento de inserção social); redução da sobretaxa do IRS e a sua eliminação em 2017; devolução dos feriados; fixação do horário de trabalho nas 35 horas; redução e isenção de taxas moderadoras; interdição do aumento dos valores máximo e mínimo das propinas....

"Queiram ou não", enfatiza o antigo trabalhador da PT Francisco Nunes, "o PCP é a força política da geringonça, a garantia do funcionamento do Governo, pela força social e política que tem". Então e o Bloco, que ficou à frente do Partido e cujo resultado foi explicado por Jerónimo de Sousa com o ar fotogénico das dirigentes bloquistas e o apoio dos media? Francisco Nunes não se atrapalha: "Não ignoramos que o BE ficou à frente. Mas quando o BE e o PS surgiram, o PCP já existia e lutava!"

Agora, assume, "temos consciência que neste momento nem tudo é possível. Mas nunca iremos ignorar que é possível continuar" a lutar e com uma interrogação sempre presente: "Se o país tem tido resposta financeira para o grande capital, por não tem garantias financeiras para suportar pequenos aumentos de reformas ou dos salários mínimos?"

"Para já, do mal o menos"

Joana Sanches, enfermeira a trabalhar para o Estado com um contrato individual de trabalho, vê a atual solução política "com bons olhos" perante o que "foi reconquistado". Embora ache que "é uma solução com muitos entraves, na medida em que as imposições da UE não permitirão que se rompa com isto", a jovem conclui: "Para já, do mal o menos" porque "o importante tem que ver com a devolução" de rendimentos e direitos às pessoas - "e o que o PCP prevê é a continuação dessa política".

Jacinto Silva, chefe de armazém desempregado, frisa que os parceiros da geringonça "estão a conseguir incomodar muita gente" ao continuarem juntos ao fim de 10 meses. "Não é o que se pretende, mas tem havido melhorias para os mais desfavorecidos" e o importante "é que se vá caminhando", embora considere que "o BE já está a ajeitar-se à sombra do PS para estar no poder", enquanto "o PCP é um partido de ideais e princípios que não pactua com isso" - mas "tem que se adaptar, porque o tempo é outro".

Rui Vaz Pinto, economista e "militante de base" que veio do Porto para estar na abertura da Festa do Avante!, sustenta que "só em última instância se deve deixar cair o governo", até porque "a política é a arte da governação" e "o PCP já devia fazer parte" do Executivo. Porquê? As dezenas de autarquias comunistas mostram que "não há corrupção nem escândalos" - e que "com o PCP conta-se sempre! Só tem uma palavra!"

Também tem memória, como faz questão de lembrar a ex-eurodeputada (1999-2012) e atual vereadora Ilda Figueiredo: "Bem tínhamos razão, quando denunciávamos o tratado orçamental...."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.