A caixa do candeeiro de Conceição vai transformar-se num livro

Portugueses estão a separar mais o lixo, mas o que acontece aos resíduos que separamos em casa até voltarem a ser usado?

Conceição comprou um candeeiro na semana passada, mas guardou a caixa de cartão onde este vinha e usou-a durante a semana "como recipiente para guardar todo o cartão e papel que ia mandar para a reciclagem". Acabou tudo no ecoponto azul na sexta-feira. O que permitirá que dentro de alguns meses essa caixa volte a ser usada e possa até ser um livro ou um envelope. É a viagem que separa uma embalagem usada da sua nova vida que vamos tentar mostrar passo a passo.

À semelhança do cartão, no caixote do lixo de Conceição também o plástico, as embalagens e o vidro - "embora seja sempre quase só a garrafa do azeite" - são separados para reciclar. "Cá em casa não há desperdício, tentamos usar as coisas o mais possível, comprar só as embalagens que precisamos e enviamos tudo para a reciclagem. Mas o primeiro passo é reduzir o lixo que produzimos", aponta esta mãe de duas filhas, que vive em Oeiras.

No caso do papel o processo até é simples: basta que não esteja sujo e pode ser encaminhado para a reciclagem. Não sem antes passar no centro de triagem, como o da Valorsul no Lumiar, mas aqui apenas fica armazenado até se juntar uma quantidade suficiente para transportar para a reciclagem. Tudo é transformado em pasta de papel e daí em livros, envelopes, guardanapos, caixas. Por exemplo, com 30 caixas de cereais pode fazer-se uma caixa de cartão de dois quilos, que dá para transportar um frigorífico.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.