A caixa do candeeiro de Conceição vai transformar-se num livro

Portugueses estão a separar mais o lixo, mas o que acontece aos resíduos que separamos em casa até voltarem a ser usado?

Conceição comprou um candeeiro na semana passada, mas guardou a caixa de cartão onde este vinha e usou-a durante a semana "como recipiente para guardar todo o cartão e papel que ia mandar para a reciclagem". Acabou tudo no ecoponto azul na sexta-feira. O que permitirá que dentro de alguns meses essa caixa volte a ser usada e possa até ser um livro ou um envelope. É a viagem que separa uma embalagem usada da sua nova vida que vamos tentar mostrar passo a passo.

À semelhança do cartão, no caixote do lixo de Conceição também o plástico, as embalagens e o vidro - "embora seja sempre quase só a garrafa do azeite" - são separados para reciclar. "Cá em casa não há desperdício, tentamos usar as coisas o mais possível, comprar só as embalagens que precisamos e enviamos tudo para a reciclagem. Mas o primeiro passo é reduzir o lixo que produzimos", aponta esta mãe de duas filhas, que vive em Oeiras.

No caso do papel o processo até é simples: basta que não esteja sujo e pode ser encaminhado para a reciclagem. Não sem antes passar no centro de triagem, como o da Valorsul no Lumiar, mas aqui apenas fica armazenado até se juntar uma quantidade suficiente para transportar para a reciclagem. Tudo é transformado em pasta de papel e daí em livros, envelopes, guardanapos, caixas. Por exemplo, com 30 caixas de cereais pode fazer-se uma caixa de cartão de dois quilos, que dá para transportar um frigorífico.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.