A caixa do candeeiro de Conceição vai transformar-se num livro

Portugueses estão a separar mais o lixo, mas o que acontece aos resíduos que separamos em casa até voltarem a ser usado?

Conceição comprou um candeeiro na semana passada, mas guardou a caixa de cartão onde este vinha e usou-a durante a semana "como recipiente para guardar todo o cartão e papel que ia mandar para a reciclagem". Acabou tudo no ecoponto azul na sexta-feira. O que permitirá que dentro de alguns meses essa caixa volte a ser usada e possa até ser um livro ou um envelope. É a viagem que separa uma embalagem usada da sua nova vida que vamos tentar mostrar passo a passo.

À semelhança do cartão, no caixote do lixo de Conceição também o plástico, as embalagens e o vidro - "embora seja sempre quase só a garrafa do azeite" - são separados para reciclar. "Cá em casa não há desperdício, tentamos usar as coisas o mais possível, comprar só as embalagens que precisamos e enviamos tudo para a reciclagem. Mas o primeiro passo é reduzir o lixo que produzimos", aponta esta mãe de duas filhas, que vive em Oeiras.

No caso do papel o processo até é simples: basta que não esteja sujo e pode ser encaminhado para a reciclagem. Não sem antes passar no centro de triagem, como o da Valorsul no Lumiar, mas aqui apenas fica armazenado até se juntar uma quantidade suficiente para transportar para a reciclagem. Tudo é transformado em pasta de papel e daí em livros, envelopes, guardanapos, caixas. Por exemplo, com 30 caixas de cereais pode fazer-se uma caixa de cartão de dois quilos, que dá para transportar um frigorífico.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos