59 milhões de fundos europeus para a investigação

Os dados revelados hoje correspondem a cerca de 1/3 dos concursos apurados, estando prevista a divulgação dos restantes até ao final do ano.

Os trabalhos de investigação realizados em Portugal vão receber 59 milhões de euros do maior programa de cofinanciamento europeu, o Horizonte 2020, segundo os dados relativos apenas a cerca de um terço dos concursos candidatos.

"Com cerca de um terço dos concursos apurados, o primeiro balanço dá conta de uma captação na ordem dos 59 milhões de euros para entidades portuguesas, relativos a 107 contratos, 27 coordenações e 157 participantes. O sistema científico alcança assim, pelo segundo ano consecutivo, resultados inéditos em termos de captação de fundos em concursos europeus competitivos", sublinha o Ministério da Educação e Ciência (MEC), que felicita o sistema científico e tecnológico nacional.

O Horizonte 2020 é um maior programa da União Europeia destinado a cofinanciar projetos de investigação, inovação e demonstração, tendo um orçamento global superior a 77 mil milhões de euros para o período entre 2014-2020.

No ano passado, Portugal conseguiu captar no total cerca de 146 milhões de euros, "tendo conseguido, pela primeira vez na história da captação de fundos competitivos europeus para a ciência, obter mais financiamento do que aquele que o país investiu no programa através da sua contribuição obrigatória para o orçamento europeu".

Segundo o ministério, Portugal terá investido no ano passado 120 milhões, tendo ido buscar 146 milhões de euros.

Entre as propostas em consórcio aprovadas em 2015, há até agora 16 coordenadas por entidades portuguesas e outras onze do programa "Twinning", também coordenadas nacionalmente.

O "Twinning" permite estabelecer parcerias entre entidades de países considerados de baixo desempenho científico (EU13, mais Portugal e Luxemburgo, que obrigatoriamente lideram o consórcio) com instituições europeias de grande qualidade, incentivando o reforço da capacidade científica e da internacionalização das instituições dos países elegíveis.

As onze propostas "Twinning" portuguesas selecionadas (num universo de 65 financiadas a nível europeu) representam cerca de 11,2 milhões de euros.

Mais de metade deste orçamento - 6,17 milhões - estão destinados a instituições nacionais, como o Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa (3 contratos), a Universidade do Minho (Instituto 3B's - 2 contratos), o INESC-Porto, o Instituto Superior de Agronomia (UL), a UNINOVA, a Universidade de Coimbra, a Universidade de Lisboa e o CIIMAR - Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.