40% das casas já têm questionários dos Censos 2011

Cerca de 2,3 milhões de alojamentos receberam durante a primeira semana de distribuição os questionários relativos ao Censos 2011, cerca de 40 por cento do total, disse à Lusa a presidente do Instituto Nacional de Estatística (INE).

"No final da primeira semana, na segunda-feira de manhã, estavam distribuídos questionários em cerca de 2,3 milhões de alojamentos, ou seja, 40 por cento do total", afirmou Alda Carvalho.

A presidente do INE admitiu que a distribuição "atrasou" durante a primeira semana, devido ao "mau tempo" e ao Carnaval, mas manifestou-se convicta de que até ao final desta semana os questionários estão todos entregues. "O processo está a decorrer com tranquilidade", garantiu.

Alda Carvalho sublinhou que um dos problemas que se pode registar prende-se com o facto de as pessoas não se encontrarem em casa no momento em que o recenseador pretende deixar os inquéritos, mas assegurou que essa situação está acautelada. "O recenseador deixa o seu contacto para combinar uma hora ou deixa na caixa do correio o inquérito", afirmou.

No caso de se verificar que o alojamento não recebeu os inquéritos e a senha para preenchimento através da Internet, o INE apela aos cidadãos que contactem a respectiva junta de freguesia ou o comuniquem através da linha gratuita 800 22 20 11.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.