27 pessoas no hospital devido a fuga de amoníaco

Vinte e sete pessoas foram hoje transportadas para os Hospitais de Vila Franca de Xira, de Santa Maria, em Lisboa, e de Santarém, devido a uma fuga de amoníaco numa fábrica em Benavente.

Em declarações à agência Lusa, o comandante das operações de socorro no local, Miguel Cardia, informou que, num total de 30 vítimas avaliadas, 27 foram encaminhadas para as três unidades hospitalares.

O também comandante dos Bombeiros Voluntários de Samora Correia, acrescentou que as operações na fábrica agroindustrial de produção, de abate e de comercialização de patos - Marinhave - estão concluídas.

Contudo, informação da página da internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), atualizada às 21:10, refere que foram transportadas para os três hospitais 26 vítimas: treze para o Hospital de Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, nove para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e quatro para o Hospital de Santarém.

Fonte do Hospital de Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, confirmou à Lusa a entrada dos pacientes, acrescentando tratar-se de situações "ligeiras a moderadas", com "irritabilidade da via respiratória e dos olhos e má disposição."

Segundo a mesma fonte, prevê-se que as 13 vítimas tenham alta hospitalar ainda no decorrer do dia de hoje.

A fuga na fábrica agroindustrial de produção, abate e comercialização de patos aconteceu por volta das 18:20, tendo sido entretanto controlada por um técnico da empresa, de acordo com o Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém.

Miguel Cardia explicou que o amoníaco é utilizado pela empresa do setor das aves no sistema de refrigeração das câmaras frigoríficas e que o incidente ocorreu na fase de embalamento e armazenamento dos animais, não afetando os animais vivos.

Para o local foram enviados bombeiros de seis corporações, apoiados por 12 viaturas, e a equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de Vila Franca de Xira.

Foi ainda acionado o Veículo de Intervenção em Catástrofes (VIC) do INEM de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.