27 pessoas no hospital devido a fuga de amoníaco

Vinte e sete pessoas foram hoje transportadas para os Hospitais de Vila Franca de Xira, de Santa Maria, em Lisboa, e de Santarém, devido a uma fuga de amoníaco numa fábrica em Benavente.

Em declarações à agência Lusa, o comandante das operações de socorro no local, Miguel Cardia, informou que, num total de 30 vítimas avaliadas, 27 foram encaminhadas para as três unidades hospitalares.

O também comandante dos Bombeiros Voluntários de Samora Correia, acrescentou que as operações na fábrica agroindustrial de produção, de abate e de comercialização de patos - Marinhave - estão concluídas.

Contudo, informação da página da internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), atualizada às 21:10, refere que foram transportadas para os três hospitais 26 vítimas: treze para o Hospital de Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, nove para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e quatro para o Hospital de Santarém.

Fonte do Hospital de Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, confirmou à Lusa a entrada dos pacientes, acrescentando tratar-se de situações "ligeiras a moderadas", com "irritabilidade da via respiratória e dos olhos e má disposição."

Segundo a mesma fonte, prevê-se que as 13 vítimas tenham alta hospitalar ainda no decorrer do dia de hoje.

A fuga na fábrica agroindustrial de produção, abate e comercialização de patos aconteceu por volta das 18:20, tendo sido entretanto controlada por um técnico da empresa, de acordo com o Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém.

Miguel Cardia explicou que o amoníaco é utilizado pela empresa do setor das aves no sistema de refrigeração das câmaras frigoríficas e que o incidente ocorreu na fase de embalamento e armazenamento dos animais, não afetando os animais vivos.

Para o local foram enviados bombeiros de seis corporações, apoiados por 12 viaturas, e a equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de Vila Franca de Xira.

Foi ainda acionado o Veículo de Intervenção em Catástrofes (VIC) do INEM de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.