27 pessoas no hospital devido a fuga de amoníaco

Vinte e sete pessoas foram hoje transportadas para os Hospitais de Vila Franca de Xira, de Santa Maria, em Lisboa, e de Santarém, devido a uma fuga de amoníaco numa fábrica em Benavente.

Em declarações à agência Lusa, o comandante das operações de socorro no local, Miguel Cardia, informou que, num total de 30 vítimas avaliadas, 27 foram encaminhadas para as três unidades hospitalares.

O também comandante dos Bombeiros Voluntários de Samora Correia, acrescentou que as operações na fábrica agroindustrial de produção, de abate e de comercialização de patos - Marinhave - estão concluídas.

Contudo, informação da página da internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), atualizada às 21:10, refere que foram transportadas para os três hospitais 26 vítimas: treze para o Hospital de Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, nove para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e quatro para o Hospital de Santarém.

Fonte do Hospital de Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, confirmou à Lusa a entrada dos pacientes, acrescentando tratar-se de situações "ligeiras a moderadas", com "irritabilidade da via respiratória e dos olhos e má disposição."

Segundo a mesma fonte, prevê-se que as 13 vítimas tenham alta hospitalar ainda no decorrer do dia de hoje.

A fuga na fábrica agroindustrial de produção, abate e comercialização de patos aconteceu por volta das 18:20, tendo sido entretanto controlada por um técnico da empresa, de acordo com o Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém.

Miguel Cardia explicou que o amoníaco é utilizado pela empresa do setor das aves no sistema de refrigeração das câmaras frigoríficas e que o incidente ocorreu na fase de embalamento e armazenamento dos animais, não afetando os animais vivos.

Para o local foram enviados bombeiros de seis corporações, apoiados por 12 viaturas, e a equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de Vila Franca de Xira.

Foi ainda acionado o Veículo de Intervenção em Catástrofes (VIC) do INEM de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.