250 novos autocarros, reforço de carreiras e expansão do elétrico

Medidas de caráter mais urgente devem entrar em vigor no primeiro semestre de 2018. Elétrico vai regressar a Campolide e chegar ao Parque das Nações.

Um plano de mobilidade da zona ocidental de Lisboa, 250 autocarros, 30 elétricos, 200 motoristas e a renegociação da expansão da rede de metropolitano são algumas das medidas a concretizar neste mandato, segundo o acordo estabelecido ontem entre o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda.

O reforço da rede de transportes nas zonas mais carenciadas, com mais carreiras e alargamento de horários é um dos objetivos do plano de mobilidade da zona ocidental de Lisboa, a apresentar até ao fim do primeiro trimestre de 2018. A aplicação das medidas mais urgentes deverá iniciar-se ainda no final do semestre. O plano vai incluir novos equipamentos, uma rede de elétricos rápidos, a articular com os interfaces daquela zona da cidade, prevê o acordo.

O investimento na rede de elétricos passa pela aquisição de "pelo menos" 30 elétricos, dotados de "melhores condições de conforto, segurança e acessibilidade" do que os atuais, que passarão de forma progressiva a ser utilizados nos serviços turísticos.
A reabertura da linha 24, entre Cais do Sodré e Campolide, e a expansão da linha 15 até ao Parque das Nações (atualmente entre Algés e Praça da Figueira), são outros planos a concretizar.

O reforço do serviço da Carris passa também pela contratação de 200 motoristas até 2018 e pela aquisição de 250 autocarros até ao final do mandato. Os primeiros veículos deverão entrar ao serviço antes de 2019.

O acordo entre bloquistas e socialistas compromete o executivo camarário a negociar com o governo a expansão da rede do metropolitano. A expansão na zona ocidental é a prioridade, em paralelo à chamada linha circular. Cabe ao presidente da autarquia, Fernando Medina, apresentar os resultados da negociação até ao primeiro semestre de 2018.

Por fim, no que aos transportes respeita, o documento do acordo revela que os partidos não chegaram a um entendimento quanto à proposta do programa do BE que previa a gratuitidade do passe social para os menores de idade, maiores de 65 e desempregados. No entanto, adianta o documento, ambos os partidos irão "pugnar por tarifários reduzidos na área metropolitana".

Em resultado do acordo assinado ontem entre PS e Bloco de Esquerda, o bloquista Ricardo Robles será o vereador com os pelouros da Educação, Saúde, Direitos Sociais e Cidadania. Em troca, ambos os partidos comprometem-se a respeitar um programa comum em várias áreas de atuação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.