250 novos autocarros, reforço de carreiras e expansão do elétrico

Medidas de caráter mais urgente devem entrar em vigor no primeiro semestre de 2018. Elétrico vai regressar a Campolide e chegar ao Parque das Nações.

Um plano de mobilidade da zona ocidental de Lisboa, 250 autocarros, 30 elétricos, 200 motoristas e a renegociação da expansão da rede de metropolitano são algumas das medidas a concretizar neste mandato, segundo o acordo estabelecido ontem entre o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda.

O reforço da rede de transportes nas zonas mais carenciadas, com mais carreiras e alargamento de horários é um dos objetivos do plano de mobilidade da zona ocidental de Lisboa, a apresentar até ao fim do primeiro trimestre de 2018. A aplicação das medidas mais urgentes deverá iniciar-se ainda no final do semestre. O plano vai incluir novos equipamentos, uma rede de elétricos rápidos, a articular com os interfaces daquela zona da cidade, prevê o acordo.

O investimento na rede de elétricos passa pela aquisição de "pelo menos" 30 elétricos, dotados de "melhores condições de conforto, segurança e acessibilidade" do que os atuais, que passarão de forma progressiva a ser utilizados nos serviços turísticos.
A reabertura da linha 24, entre Cais do Sodré e Campolide, e a expansão da linha 15 até ao Parque das Nações (atualmente entre Algés e Praça da Figueira), são outros planos a concretizar.

O reforço do serviço da Carris passa também pela contratação de 200 motoristas até 2018 e pela aquisição de 250 autocarros até ao final do mandato. Os primeiros veículos deverão entrar ao serviço antes de 2019.

O acordo entre bloquistas e socialistas compromete o executivo camarário a negociar com o governo a expansão da rede do metropolitano. A expansão na zona ocidental é a prioridade, em paralelo à chamada linha circular. Cabe ao presidente da autarquia, Fernando Medina, apresentar os resultados da negociação até ao primeiro semestre de 2018.

Por fim, no que aos transportes respeita, o documento do acordo revela que os partidos não chegaram a um entendimento quanto à proposta do programa do BE que previa a gratuitidade do passe social para os menores de idade, maiores de 65 e desempregados. No entanto, adianta o documento, ambos os partidos irão "pugnar por tarifários reduzidos na área metropolitana".

Em resultado do acordo assinado ontem entre PS e Bloco de Esquerda, o bloquista Ricardo Robles será o vereador com os pelouros da Educação, Saúde, Direitos Sociais e Cidadania. Em troca, ambos os partidos comprometem-se a respeitar um programa comum em várias áreas de atuação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.