25 de Abril anti-Trump e Le Pen no Parlamento

A emergência eleitoral de fenómenos perigosos no exterior levou a tréguas internas. "Populismo" foi a palavra mais ouvida

O populismo e as respostas ao populismo - a transparência no exercício da política, o combate à corrupção, um "nacionalismo patriótico" por oposição a um "patriotismo egocêntrico" (expressões do Presidente da República) .

Quase sem referências explícitas à origens - as eleições recentes nos EUA, na Holanda e em França, bem como o brexit do Reino Unido -, estes temas marcaram ontem parte importante da sessão solene parlamentar de celebração dos 43 anos de Abril.

A oposição do PSD (com uma bancada em que abundavam as ausências) e do CDS poupou-se nos ataques à governação (fica para hoje à tarde, dia de mais um debate quinzenal com o primeiro-ministro). Teresa Leal Coelho, a oradora do PSD, insistiu na defesa da sua bandeira de sempre, a criminalização do enriquecimento ilícito; Isabel Galriça Neto, do CDS, reafirmou o compromisso do seu partido com o Estado social . Foi também a primeira voz a ouvir-se na sessão relembrando a memória de Mário Soares (este foi o primeiro 25 de Abril depois da morte do ex-PR e fundador do Partido Socialista).

À esquerda - embora em tons diversos -, o bombo da festa foi a Europa. Críticas, críticas e mais críticas. O socialista Alberto Martins, há muito ausente do púlpito parlamentar - e celebrando ontem o seu 72.º aniversário - quase ultrapassou pela esquerda o que a esquerda disse.

"A União Europeia - disse - não pode continuar a transformar um projeto europeu de solidariedade entre Estado, povos e cidadãos no seu contrário, transferindo os imperativos dos mercados e das grandes corporações e grupos financeiros aos orçamentos e grupos financeiros."

Além disso, "as políticas austeritárias, de estreita disciplina orçamental, provocaram, como entre nós, recessão e degradação social", e os "consequentes sacrifícios atingiram sobretudo os mais pobres e excluídos e geraram uma insidiosa situação de incerteza, desesperança e chocantes desigualdades sociais". Por isso, "a saída da crise económica, social e ecológica exige uma UE mais democrática, transparentes" e "subordinando o poder económico ao poder político".

Cumprindo o prometido, Marcelo Rebelo de Sousa evitou questões da atualidade. Preferiu, antes, sublinhar princípios gerais: "Importa que todas as estruturas do poder político, do topo do Estado à administração pública e, naturalmente, aos tribunais, entendam que devem ser muito mais transparentes, rápidas e eficazes na resposta aos desafios e apelos deste tempo, revendo-se, reformando-se, ajustando-se." Porque "os chamados populismos alimentam-se das deficiências, lentidões, incompetências e irresponsabilidades do poder político, ou da sua confusão ou compadrio com o poder económico e social". Voltou também a exigir que toda a aposta governamental se centre no crescimento: "Os dois anos e meio que faltam para o termo da legislatura parlamentar terão de ser de maior criação de riqueza e melhor distribuição."

Ferro Rodrigues, pelo seu lado, assumiu explicitamente as referências a Marine Le Pen: "Veja-se por exemplo a ameaça da extrema-direita, que continua visível em França." E defendeu que "não basta a este respeito falar de populismo", porque "é um conceito que normaliza o que não é normal em democracia". "Isto não é nenhum populismo", é sim "a velha extrema-direita autoritária , nacionalista e xenófoba". E há que não esquecer Mitterrand: "O nacionalismo é a guerra." Para consumo interno, o discurso do presidente da AR foi de satisfação: o "novo tempo político" da maioria de esquerda fez melhorar a imagem pública da Assembleia da República.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.