Jardim Mário Soares tem púlpito para cidadãos tomarem a palavra, a "grande arma"

O púlpito encontra-se no centro de um pequeno anfiteatro circular, na zona sul deste espaço verde no Campo Grande, em frente à casa onde morou Mário Soares

O Jardim Mário Soares, inaugurado hoje em Lisboa, conta com uma estrutura com a história do antigo Presidente da República, e com um púlpito que convida os cidadãos a usar da palavra, que foi "a sua grande arma".

O Jardim do Campo Grande ganhou hoje o nome do antigo Chefe de Estado, numa cerimónia que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, do primeiro-ministro, António Costa, e do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Também a família de Mário Soares, membros do Governo, vereadores, militantes do Partido Socialista (que Mário Soares fundou), e cidadãos marcaram presença na homenagem.

O púlpito encontra-se no centro de um pequeno anfiteatro circular, na zona sul deste espaço verde, em frente à casa onde morou Mário Soares.

Na estrutura encontra-se a inscrição "às sugestões da comodidade, do egoísmo ou do interesse individual que apontam para a renúncia ou para o alheamento, há que opor a vontade decisiva de vencer - na certeza de que só é vencido quem desiste de lutar", frase que consta do livro "Portugal Amordaçado", de 1972, e que foi lida por um dos netos do antigo chefe de Estado, na abertura da cerimónia.

Este púlpito "é um espaço para uso da palavra pelos cidadãos, por qualquer pessoa que deseje aqui estar, falar, encontrar-se com os seus e com os outros. Um pouco a ideia de que a palavra nos une, nos aproxima, porque verdadeiramente, para Mário Soares, a sua grande arma foi sempre a sua voz e a sua palavra", disse o presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

No chão, encontram-se palavras que caracterizam o político (como escritor, humanista, advogado, resistente antifascista), colocadas com papel autocolante, e que duas horas depois da inauguração já perderam algumas letras, facto que foi notado por vários transeuntes que visitavam o local.

Inaugurando os discursos, Fernando Medina (PS), começou por constatar "o quão difícil era a tarefa de homenagem a alguém" com o percurso de Mário Soares, tendo vincado também que "foi a partir da voz que ele tanto conquistou ao longo de tanto tempo".

A escolha do município recaiu então na atribuição do nome ao jardim do Campo Grande, que foi recentemente intervencionado, e também na colocação de um perfil sobre o histórico socialista junto ao lago.

Neste totem, "está sintetizado, na forma do possível, o que é o incrível trajeto de Mário Soares ao longo de tantas e tantas décadas", afirmou Medina, elencando que "servirá às novas gerações, às atuais gerações", e a quem visita Lisboa.

À passagem pela estrutura, o Presidente da República salientou que o perfil "está muito bem feito", e o primeiro-ministro testou o sistema de 'QR Code' (que permite aceder a mais informação através do telemóvel), tendo sinalizado que funciona e "está impecável".

Medina aproveitou para agradecer também ao primeiro-ministro, e ex-presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, a ideia de renomear o jardim do Campo Grande.

Também o 'designer' Henrique Cayatte, amigo de Mário Soares, foi notado pelo autarca, pela ideia de incluir o totem e o 'speakers corner' no jardim.

A filha de Mário Soares, Isabel Soares, tomou a palavra para agradecer a homenagem e recordar os tempos em que passeava com a família no jardim.

"Este jardim do Campo Grande foi o seu jardim, desde os 11 anos [...] foi aqui que sonhou, namorou, conspirou por um país livre e democrático", disse.

Depois de ter sofrido obras profundas, o jardim conta agora com mais 700 árvores, um sistema de rega renovado e mobiliário urbano novo, um percurso central, bem como soluções naturais de bacias de retenção.

A requalificação custou cerca de 1,5 milhões de euros, disse à agência Lusa fonte da Câmara Municipal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...