18 novas drogas encontradas nas cadeias portuguesas

De sete novas substâncias psicoativas que tinham sido detetadas nas prisões em 2007 passou-se para mais do dobro em 2014, reflexo também da tendência fora das cadeias

As "drogas da moda" estão a passar os muros das prisões, refletindo a tendência que já existe no mundo exterior do consumo de novos opiáceos e químicos. De sete substâncias novas identificadas em 2001 e em 2007 nas cadeias, passou-se para 18 em 2014.

Tratam-se de outros estimulantes que não a cocaína ou os clássicos "cogumelos": são alucinogéneos novos, metadona e buprenorfina (derivado de morfina) consumidas sem receita médica e ainda novas substâncias a imitar o efeito de drogas ilícitas - como as que se vendiam nas proibidas smart shops - e esteróides. O fenómeno e a descrição das novas drogas constam do Inquérito Nacional sobre Comportamentos Aditivos em Meio Prisional, ontem divulgado, que compara dados de 2001, 2007 e 2014.

Uma das substâncias que pode facilmente entrar numa cadeia (embora entre pouco), escondida nas meias, nos bolsos, no forro de um casaco, é a ketamina, o anestésico para cavalos que se julgou inicialmente ter causado a intoxicação de oito reclusos da cadeia de Castelo Branco em abril deste ano. As análises revelaram apenas a presença de canabinóides no que terá sido um caso de combinação de substâncias numa mistura perigosa. São várias as formas de levar estupefacientes, dos clássicos aos novos, para o interior das cadeias. Um dos métodos a que mais recorrem os reclusos é usar as namoradas ou familiares que servem de "correios de droga", transportando as substâncias dissimuladas na roupa ou nos órgãos genitais no horário das visitas.

Também no interior dos alimentos é possível esconder estupefacientes que nem sempre são detetados pelos raios x dos pórticos de controlo das cadeias. O questionário que indica estes novos consumos foi feito a 20% da população reclusa de 13.343 presos (em setembro de 2014), o que correspondeu a 2749 reclusos inquiridos.

Leia mais no e-paper ou na edição impressa do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.