1500 pessoas por dia telefonam para linha de apoio

"Porque é que ainda não fui contactada?" "Quando é que entregam os inquéritos'" "Sou multada se não responder?". São as perguntas para a linha dos Censos 2011, 1500 por dia.

A distribuição dos inquéritos é até ao dia 20 e, na primeira semana, chegaram a 2,3 milhões de alojamentos, 38% do total. Uma idosa numa aldeia da Figueira da Foz foi roubada em mil euros por um falso recenseador, o que servirá de exemplo para alertar a população para a segurança.

Cidadãos podem perguntar à linha de apoio (800 22 2011) o nome do recenseador da sua zona.

Instituto Nacional de Estatística não vai aplicar multas, mas apela ao dever de cidadania da população.

leia mais pormenores no e-paper do DN

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.