15 portugueses entregam propostas ao PR para melhorar relação entre cidadãos e políticos

Recomendações resultaram do primeiro "Fórum dos Cidadãos", em que foram debatidas propostas para "revigorar a democracia portuguesa"

Quinze "cidadãos comuns", de diferentes idades, níveis de educação e oriundos de diversas regiões do país, vão entregar, na terça-feira, ao Presidente da República, propostas sobre como melhorar a comunicação entre cidadãos e os políticos que os representam.

As recomendações resultaram do primeiro Fórum dos Cidadãos, que decorreu no fim de semana de 7 e 8 de janeiro, em Lisboa, e onde estes cidadãos - oito mulheres e sete homens com ocupações profissionais diferentes - debateram várias propostas com o objetivo de "revigorar a democracia portuguesa".

Ao longo do fim de semana foram contempladas "muitas ideias diferentes" e debatidos "vários temas, diferentes soluções, para o problema de como é que o cidadão comum pode ser mais ouvido e como se pode fazer ouvir melhor junto do poder político", disse à agência Lusa Manuel Arriaga, promotor da iniciativa e autor do livro 'Reinventar a Democracia'.

Esta iniciativa, explicou o professor universitário, surgiu como "uma tentativa de dar a ouvir uma voz diferente dos cidadãos".

O objetivo é dar "uma voz informada e refletida, onde um conjunto de cidadãos comuns estuda uma questão, ouve palestras por especialistas, pensa a fundo um tema e no final apresenta as suas propostas sobre o que poderia ser feito a respeito dos grandes temas com que nos deparamos hoje em dia", sublinhou.

Na terça-feira, os 15 cidadãos, representativos da sociedade portuguesa, vão entregar a Marcelo Rebelo de Sousa cinco recomendações concretas para melhorar a comunicação entre cidadãos e os representantes eleitos, adiantou Manuel Arriaga, escusando-se a avançar o conteúdo das propostas.

As propostas vão ser o tema da "audiência com o Presidente da República" e da sessão pública que decorre no mesmo dia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde "os 15 cidadãos vão apresentar eles próprios as propostas que elaboraram", adiantou.

Para Manuel Arriaga, a sessão pública é "uma oportunidade muito interessante para todos aqueles que dão por si, com frequência, a lamentar a desconexão, a desligação, entre o cidadão e o mundo da política".

"Penso que este evento na terça-feira às 18:30 na Universidade Nova de Lisboa oferece uma verdadeira oportunidade para tentarmos mudar isto coletivamente", frisou.

Na apresentação pública das recomendações vão estar presentes o vice-presidente da Assembleia da República, Jorge Lacão, bem como apoiantes do Fórum dos Cidadãos, entre eles o conselheiro de Estado Eduardo Lourenço, o antigo candidato presidencial Henrique Neto, e os ex-ministros David Justino, Margarida Mano e Manuel Maria Carrilho.

Estará também presente no evento David Farrell, professor da University College Dublin, especialista em participação cívica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".