102 doentes apanharam bactéria multirresistente

Dos 102 doentes, 12 tiveram infeção e 90 são portadores. 42 ainda estão internados.Três morreram da infeção

O programa de rastreio de portadores da bactéria multirresistente klebsiella pneumoniae (KPC) no Hospital de Gaia identificou como infetados ou portadores (não infetados) um total de 102 doentes, anunciou hoje o Ministério da Saúde.

Estudo foi realizado a todos os doentes que contactaram com os casos diagnosticados, num número total de 189, desde o passado mês de agosto.

Em três doentes, a morte resultou, documentadamente, da infeção pela referida bactéria

De acordo com os resultados obtidos, dos 102 doentes, 12 tiveram infeção pela referida bactéria e 90 são portadores.

O Ministério da Saúde salienta que "75 desses 102 doentes foram identificados através do programa de rastreio, sendo que 40% dos doentes rastreados foram positivos para KPC".

"Assinale-se que a taxa de transmissão cruzada foi elevada, mas muito variável, conforme local de internamento, desde nula a mínima, na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) Polivalente e na UCI Cirurgia Torácica, a muito elevada, nas enfermarias de Medicina e de Cirurgia 'Especialidades'", refere.

De acordo com os dados disponibilizados, neste momento, 45 dos 102 doentes estão ainda internados, sendo que quatro deles com infeção e 41 sem infeção (portadores).

O Ministério da Saúde afirma que os 45 casos estão em regime de isolamento de contacto, ocupando duas áreas específicas do Hospital de Gaia (uma de Medicina e outra de Cirurgia), "com um coorte [grupo] de profissionais, dispositivos, equipamentos e logística.

Refere ainda que foram identificados todos os doentes que tiveram alta e que contactaram previamente com doentes com KPC e em que não chegou a ser realizado rastreio.

Esclarece que foi criado um sistema na urgência e na consulta que permite o seu reconhecimento imediato, de forma a serem colocados, se necessário, em regime de isolamento de contacto numa das áreas específicas e ser-lhes realizado rastreio de KPC no momento de admissão hospitalar.

Nesta altura, acrescenta o Ministério da Saúde, está completo o rastreio de contactantes e todos os doentes portadores ou infetados estão em isolamento de contacto e em grupos específicos, geográfico, logístico e de profissionais de saúde.

O hospital suspeita que a origem do surto tenha sido numa doente que fez vários ciclos de antibiótico e que partilhou, no dia 29 de junho, a mesma unidade de pós-operatório com o primeiro paciente infetado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.