Presidente da República diz-se grato por parlamento de Boston celebrar Portugal

Comemorações do 10 de Junho terminam esta segunda-feira em Providence, nos EUA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou-se esta segunda-feira "grato" por o parlamento estadual de Boston (Estados Unidos) homenagear Portugal e os portugueses, declarando preferir "deixar o coração falar" a ler um discurso escrito perante os congressistas.

"Formalmente devia ler um discurso, mas tenho a tentação de improvisar. Por que não deixar o meu coração falar e dizer-vos o que sinto no fundo do coração?", questionou o chefe de Estado, perante aplausos de dezenas de congressistas e outras dezenas de cidadãos - nomeadamente lusodescendentes - presentes nas bancadas do parlamento estadual.

Nós, os portugueses, adoramos unir, não dividir

Depois, Marcelo Rebelo de Sousa manifestou "gratidão" em nome de Portugal pela "amizade e parceria de muito tempo" entre o país e os Estados Unidos da América, lembrando o "atravessar do oceano" nos séculos anteriores, nomeadamente de açorianos.

"Nós, os portugueses, adoramos unir, não dividir", disse ainda o chefe de Estado.

O senador de Massachusetts Mark Pacheco, lusodescendente, apresentou Marcelo Rebelo de Sousa como "o verdadeiro Presidente do povo".

"Há dois dias nadava no mar dos Açores com os cidadãos e ontem [domingo] ignorou os serviços secretos e foi para o meio da população", atravessando durante longos minutos o centro de Boston e tirando fotografias, prosseguiu Mark Pacheco, numa passagem aplaudida pelo senadores e cidadãos presentes na sessão.

O programa das Comemorações do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas de 2018 arrancou no sábado em Ponta Delgada, na Região Autónoma dos Açores, seguiu depois para Boston e Providence, onde termina esta segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.