Ponta Delgada será a "capital da nação portuguesa" no Dia de Portugal

Comunidade açoriana nos Estados Unidos da América também participa nas comemorações

O presidente da Câmara de Ponta Delgada congratulou-se esta terça-feira com a escolha dos Açores para as comemorações do Dia de Portugal, considerando que a 10 de junho a cidade "é a capital da nação portuguesa".

"Nós encaramos esta distinção como o envolvimento de Portugal inteiro na sua projeção atlântica para uma nacionalidade universal. Por isso, gostaria de deixar com ênfase a perceção que tenho: a 10 de junho Ponta Delgada é a capital da nação portuguesa", disse José Manuel Bolieiro, em conferência de imprensa.

As comemorações do 10 de junho nos Açores arrancam na quinta-feira, em Ponta Delgada, com concertos pela banda da Armada e do Exército, batismos de navegação e mergulho e várias atividades militares, culminando, no domingo, numa cerimónia com o Presidente da República.

Congratulando-se com a escolha, por parte da Presidência da República, de Ponta Delgada para as comemorações, José Manuel Bolieiro disse que isso coloca a cidade numa "projeção nacional e internacional" que honra e orgulha a autarquia.

As comemorações são uma organização tripartida entre a Câmara Municipal de Ponta Delgada, o Governo Regional dos Açores e a Presidência da República.

A autarquia vai entregar, no sábado, a Chave de Honra do Município ao Presidente da República no Salão Nobre dos Paços do Concelho, com a presença de todos os eleitos locais.

Com várias atividades na Avenida Infante D. Henrique, na marginal da cidade de Ponta Delgada, o programa oficial das celebrações do 10 de junho integra ainda um concerto na Igreja de São José com um órgão de tubos do século XVIII e a participação do Coral de São José.

Luísa Schanderl, chefe de gabinete do presidente do Governo dos Açores, destacou no programa, entre outras iniciativas, a apresentação de cumprimentos ao Presidente da República, no sábado, no Palácio de Santana, onde vão estar 90 representantes de países de todo o mundo.

"Estes países de certeza que levarão uma recordação dos Açores como um povo amável, que gosta de receber e gosta de partilhar a sua cultura", sublinhou.

Luísa Schanderl disse ainda ser "uma honra para a cidade de Ponta Delgada, para os Açores e para o Governo Regional receber o Presidente da República na sua sessão de cumprimentos do corpo diplomático no Palácio de Santana e oferecer uma série de apoios logísticos para que esses eventos se realizem", demonstrando o saber receber, o saber conviver e a cultura do povo açoriano.

A responsável referiu-se também ao facto de o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades ser igualmente celebrado com a comunidade açoriana nos Estados Unidos da América.

Pedro Coelho Dias, em representação dos três ramos das Forças Armadas, realçou a realização das atividades militares complementares onde os ramos das Forças Armadas "aproveitam para fazer uma mostra das suas capacidades", com interação do público, no "intuito de criar uma relação e proximidade com os açorianos".

Entre sexta-feira e domingo, três navios, duas fragatas e um navio reabastecedor vão estar abertos a visitas.

As comemorações nos Açores terminam no domingo com a cerimónia militar, no Campo de São Francisco, onde vão estar cerca de 1.300 militares dos três ramos das Forças Armadas concentrados numa parada militar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.