Ponta Delgada será a "capital da nação portuguesa" no Dia de Portugal

Comunidade açoriana nos Estados Unidos da América também participa nas comemorações

O presidente da Câmara de Ponta Delgada congratulou-se esta terça-feira com a escolha dos Açores para as comemorações do Dia de Portugal, considerando que a 10 de junho a cidade "é a capital da nação portuguesa".

"Nós encaramos esta distinção como o envolvimento de Portugal inteiro na sua projeção atlântica para uma nacionalidade universal. Por isso, gostaria de deixar com ênfase a perceção que tenho: a 10 de junho Ponta Delgada é a capital da nação portuguesa", disse José Manuel Bolieiro, em conferência de imprensa.

As comemorações do 10 de junho nos Açores arrancam na quinta-feira, em Ponta Delgada, com concertos pela banda da Armada e do Exército, batismos de navegação e mergulho e várias atividades militares, culminando, no domingo, numa cerimónia com o Presidente da República.

Congratulando-se com a escolha, por parte da Presidência da República, de Ponta Delgada para as comemorações, José Manuel Bolieiro disse que isso coloca a cidade numa "projeção nacional e internacional" que honra e orgulha a autarquia.

As comemorações são uma organização tripartida entre a Câmara Municipal de Ponta Delgada, o Governo Regional dos Açores e a Presidência da República.

A autarquia vai entregar, no sábado, a Chave de Honra do Município ao Presidente da República no Salão Nobre dos Paços do Concelho, com a presença de todos os eleitos locais.

Com várias atividades na Avenida Infante D. Henrique, na marginal da cidade de Ponta Delgada, o programa oficial das celebrações do 10 de junho integra ainda um concerto na Igreja de São José com um órgão de tubos do século XVIII e a participação do Coral de São José.

Luísa Schanderl, chefe de gabinete do presidente do Governo dos Açores, destacou no programa, entre outras iniciativas, a apresentação de cumprimentos ao Presidente da República, no sábado, no Palácio de Santana, onde vão estar 90 representantes de países de todo o mundo.

"Estes países de certeza que levarão uma recordação dos Açores como um povo amável, que gosta de receber e gosta de partilhar a sua cultura", sublinhou.

Luísa Schanderl disse ainda ser "uma honra para a cidade de Ponta Delgada, para os Açores e para o Governo Regional receber o Presidente da República na sua sessão de cumprimentos do corpo diplomático no Palácio de Santana e oferecer uma série de apoios logísticos para que esses eventos se realizem", demonstrando o saber receber, o saber conviver e a cultura do povo açoriano.

A responsável referiu-se também ao facto de o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades ser igualmente celebrado com a comunidade açoriana nos Estados Unidos da América.

Pedro Coelho Dias, em representação dos três ramos das Forças Armadas, realçou a realização das atividades militares complementares onde os ramos das Forças Armadas "aproveitam para fazer uma mostra das suas capacidades", com interação do público, no "intuito de criar uma relação e proximidade com os açorianos".

Entre sexta-feira e domingo, três navios, duas fragatas e um navio reabastecedor vão estar abertos a visitas.

As comemorações nos Açores terminam no domingo com a cerimónia militar, no Campo de São Francisco, onde vão estar cerca de 1.300 militares dos três ramos das Forças Armadas concentrados numa parada militar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.