1 milhão de euros para requalificar Centro Paulo VI

Diocese de Viana investe mais de um milhão de euros a requalificar e ampliar Centro Paulo VI com a ajuda dos "contributos dos fiéis".

A Diocese de Viana do Castelo vai investir mais de um milhão de euros na recuperação e ampliação do Centro Paulo VI, um edifício com mais de 60 anos, que nunca sofreu obras profundas, destinado a apoiar o trabalho pastoral.

A informação foi hoje avançada à agência Lusa por fonte daquela Diocese, adiantando que o início da intervenção no Centro Pastoral Paulo VI ocorrerá dia 02 de fevereiro e terá um prazo de execução de 15 meses.

Os custos da empreitada, "há muito aguardada", serão suportados com "os contributos dos fiéis", através de donativos da Renúncia da Quaresma, recolhidos pelas paróquias, ou através da comissão constituída pelo bispo Anacleto Oliveira para "coordenar e dinamizar a angariação de fundos".

À Lusa, o bispo manifestou "alegria" pela concretização de "um sonho de há muito tempo, que agora está prestes a ser iniciado".

Anacleto Oliveira formulou "votos de que tudo decorra normalmente, de modo a que no fim das obras todos nos sintamos satisfeitos".

A diocese de Viana do Castelo é a mais jovem do país, com cerca de 38 anos de existência, e integra 291 paróquias espalhadas pelos dez concelhos do Alto Minho. Júlio Tavares Rebimbas, foi o primeiro bispo da Diocese, nomeado em novembro de 1997.

As obras de conservação e restauro no centro pastoral, situado na Quinta de São Lourenço, na freguesia de Darque, na margem esquerda do rio Lima, foram adjudicadas a semana passada a uma empresa de construção civil do concelho, estando já em curso os trabalhos preparatórios para o início dos trabalhos.

Entre outras valências, o Centro Pastoral Paulo VI dispõe de quartos, salas de reuniões, refeitório e capela.

Nos terrenos situados na envolvente está instalado o Paço Episcopal, residência do bispo Anacleto Oliveira, nomeado em 2010.

Existe ainda um auditório e uma Casa de Acolhimento de Sacerdotes Idosos, ambos construídos pelo antecessor de Anacleto Oliveira.

A casa de acolhimento tem capacidade para 20 utentes, sacerdotes idosos, e seus familiares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.