5 Outubro: PSD satisfeito com urgência na descentralização defendida por Medina

Secretário-geral do PSD elogiou reivindicação de Medina e mostrou-se alinhado com discurso de Marcelo

O secretário-geral do PSD, Matos Rosa, manifestou hoje satisfação com a aceleração da descentralização defendida pelo presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e mostrou-se alinhado com o discurso do Presidente da República.

"Constatámos a insistência do presidente da Câmara, dirigindo-se ao Governo e ao grupo parlamentar do PS, de aceleração da descentralização. Foi com muita satisfação que ouvimos isto, porque defendemos esta aceleração, aliás queríamos que tivesse sido concluída antes das eleições", afirmou José Matos Rosa à Lusa.

Falando após as cerimónias comemorativas do 05 de Outubro, em que intervieram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina (PS), Matos Rosa enfatizou que o chefe de Estado "atribuiu fundamental importância à estabilidade política mas também a várias áreas de governação".

O PSD esteve representado na cerimónia através do seu presidente, Pedro Passos Coelho, e da dirigente e deputada Teresa Morais, tendo cabido ao secretário-geral, Matos Rosa, falar aos jornalistas.

Matos Rosa vincou que essas áreas foram a saúde, educação, defesa e segurança e referiu que o Presidente quer que nessas áreas "haja estabilidade e consensos".

"É o que temos vindo sempre a defender, nestas áreas que para nós são muito importantes", declarou.

O secretário-geral do PSD referiu-se também ao protesto de professores, considerando que "têm as suas razões" e salientado que "foram corretos", ao terem aguardado o final da cerimónia para se manifestarem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).