5 Outubro: PSD satisfeito com urgência na descentralização defendida por Medina

Secretário-geral do PSD elogiou reivindicação de Medina e mostrou-se alinhado com discurso de Marcelo

O secretário-geral do PSD, Matos Rosa, manifestou hoje satisfação com a aceleração da descentralização defendida pelo presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e mostrou-se alinhado com o discurso do Presidente da República.

"Constatámos a insistência do presidente da Câmara, dirigindo-se ao Governo e ao grupo parlamentar do PS, de aceleração da descentralização. Foi com muita satisfação que ouvimos isto, porque defendemos esta aceleração, aliás queríamos que tivesse sido concluída antes das eleições", afirmou José Matos Rosa à Lusa.

Falando após as cerimónias comemorativas do 05 de Outubro, em que intervieram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina (PS), Matos Rosa enfatizou que o chefe de Estado "atribuiu fundamental importância à estabilidade política mas também a várias áreas de governação".

O PSD esteve representado na cerimónia através do seu presidente, Pedro Passos Coelho, e da dirigente e deputada Teresa Morais, tendo cabido ao secretário-geral, Matos Rosa, falar aos jornalistas.

Matos Rosa vincou que essas áreas foram a saúde, educação, defesa e segurança e referiu que o Presidente quer que nessas áreas "haja estabilidade e consensos".

"É o que temos vindo sempre a defender, nestas áreas que para nós são muito importantes", declarou.

O secretário-geral do PSD referiu-se também ao protesto de professores, considerando que "têm as suas razões" e salientado que "foram corretos", ao terem aguardado o final da cerimónia para se manifestarem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.