5 Outubro. Costa diz que manifestações "fazem parte da vida democrática"

Dezenas de professores manifestaram-se hoje junto às cerimónias comemorativas do 5 de Outubro em Lisboa, presididas pelo Presidente da República

O primeiro-ministro, António Costa, desdramatizou hoje a manifestação dos professores na Praça do Município, em Lisboa, considerando que "faz parte da vida democrática".

"Temos de nos habituar a viver com isso, é normal", disse aos jornalistas, quando questionado sobre a manifestação de algumas dezenas de professores após os discursos da cerimónia de celebração da Implantação da República, que decorreu esta manhã junto aos Paços do Concelho.

Para o primeiro-ministro, estas situações fazem "parte da vida democrática".

Costa recordou que "as regras foram cumpridas" quanto à colocação dos professores.

"Ninguém está colocado numa escola para a qual não tenha concorrido", salientou, indicando que no próximo ano letivo os professores descontentes terão oportunidade de corrigir a situação.

Dezenas de professores manifestaram-se hoje junto às cerimónias comemorativas do 5 de Outubro em Lisboa, presididas pelo Presidente da República, gritando "justiça" e "colocação administrativa, já", em protesto contra o concurso de professores.

Vestidos de branco, alguns empunhando cravos brancos, os manifestantes exibiam uma faixa em que se lia "colocação administrativa, já" e gritavam "justiça", "respeito", "concurso ilegal", "somos mais de cem" e "Marcelo, amigo, queremos falar contigo".

O protesto foi audível pouco depois de terminarem os discursos proferidos pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo presidente da Câmara da capital, Fernando Medina.

No final, António Costa foi instado pelos jornalistas a comentar este protesto, tendo o primeiro-ministro apontado que se "as pessoas querem justiça", "está lá a justiça".

Porém, assinalou, "as regras foram cumpridas" quanto às colocações dos professores.

"Não podemos alterar as regras do jogo", salientou.

FYM/JPS

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.