Bebé de 18 meses que estava desaparecido foi encontrado. "Está bem"

A criança foi entregue às autoridades esta manhã por uma moradora da zona que a terá encontrado

O bebé de 18 meses que desapareceu ontem à noite da casa dos pais em Serzedelo, Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga, foi encontrado e "está bem", indicou às 11:15 de hoje a GNR. A criança foi entregue às autoridades por uma moradora da zona que a terá encontrado a cerca de 900 metros de casa.

Desconhecem-se ainda as circunstâncias do desaparecimento da criança, que não era vista desde as 20:00 de ontem. O rapaz estava a brincar no exterior da habitação com o pai e as duas irmãs, os quais se deslocaram momentaneamente ao interior da casa. Terá sido nesse momento que o bebé desapareceu, segundo explicou aos jornalistas, ainda durante a noite, o comandante dos bombeiros locais.

O coordenador da PJ da Braga indicou que não há indícios de crime e que tudo leva a crer que o menino terá desaparecido pelo próprio pé.

Segundo Gil Carvalho, a criança terá andado sem destino até encontrar uma cancela que não conseguiu passar.

Apesar disso, "só depois de concluído o inquérito e por despacho do Ministério Púbico é que o inquérito é arquivado".

Questionado pelos jornalistas sobre o facto de se tratar de um bebé de ano e meio, o responsável pela PJ de Braga disse ter recolhido testemunhos de que o menino "corria e movimentava-se muito bem" o que, em seu entender, "indica que podia percorrer a distância" de cerca de um quilómetro.

As autoridades mantiveram-se no local durante toda a noite, depois de o alerta ter sido dado ontem à noite, cerca de duas horas após o desaparecimento. Esta manhã, as buscas foram retomadas. No entanto, terá sido uma vizinha a encontrar o bebé num terreno baldio.

Ainda durante a noite, segundo avança o Jornal de Notícias, o pai, a mãe e um amigo da família foram transportados para o posto da GNR da Póvoa de Lanhoso, tendo a habitação sido selada. A família estaria sinalizada pela segurança social de Braga.

O Correio da Manhã avança que o pai do bebé foi levado pela Polícia Judiciária durante a madrugada, tendo sido ouvido durante cerca de três horas.

O coordenador da PJ de Braga confirmou que o pai assim como "outras pessoas" estão a ser ouvidas, mas não adiantou qualquer hipótese para o que possa ter acontecido.

Em outubro do ano passado, num caso semelhante, um rapaz de dois anos desapareceu de casa dos avós, em Ourém. Foi encontrado na manhã do dia seguinte, numa zona de mato, a cerca de dois quilómetros de distância.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.