844 utentes à espera de vaga nos cuidados continuados

Relatório da Administração Central do Sistema de Saúde revela que o número de camas e de doentes referenciados subiu em 2014. Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais dificuldades

No final do ano passado 844 utentes estavam à espera de uma cama de cuidados continuados ou paliativos. Mais de 40% destes utentes pertenciam à região de Lisboa e Vale do Tejo, onde a resposta ainda é pequena para as necessidades da população. De acordo com o relatório "Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados - 2014", publicado pela Administração Central do Sistema de Saúde, a maioria das pessoas aguardava por uma vaga nas unidades de cuidados de média e longa duração. No ano passado foram referenciados para a rede 41 657 utentes (mais 4,4% que no ano anterior) e assistidos 48 299 e o número de camas contratado subiu.

Segundo o documento, no final de 2014, entre os vários tipos de resposta que fazem parte da rede de cuidados continuados integrados, havia 844 utentes em espera. Um número inferior ao de 2013, que terminou com 1217 utentes em espera. É na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) que estão a maior dos utentes em lista de espera, como aponta o documento: "42% dos utentes que aguardavam vaga a nível nacional encontravam-se em LVT". Um resultado da menor capacidade de resposta em relação às necessidades, já referido em relatório anteriores. Mas foi também a região de Lisboa que mais cresceu em utentes referenciados.

Leia mais pormenores no e-paper do DN ou na edição impressa

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.