"O Estado dá conforto à dívida da TAP, mas não tem poder para definir estratégia"

Helder Amaral, deputado do CDS, diz que "o Estado paga mas não manda" e questiona para que servem os administradores nomeados pelo Governo

O relatório do Tribunal de Contas que aponta o risco de o Estado ter de injetar mais dinheiro na TAP "confirma que o Estado dá conforto à dívida, paga, mas não tem poder para definir a estratégia da empresa". Quem o afirma é o deputado democrata-cristão, Helder Amaral, que acusa ainda o governo de não dar resposta às questões relativas ao cumprimento do serviço público, como os cortes de rotas e cancelamentos de voos.

O processo de recomposição do capital social da empresa, decorrente da reversão da privatização, agrava "as responsabilidades financeiras do Estado", diz o documento elaborado pelo Tribunal de Contas, a pedido da Assembleia da República. Além de questionar a sustentabilidade do negócio, já que o plano de negócios não revela as expectativas após 2020.

Helder Amaral só não conrcorda com o relatório quando o documento aponta a falta de consenso político que "não conduziu ao resultado mais eficaz". "Só não houve consenso com o PSD e o CDS [que aprovaram a privatização da TAP]. Este modelo tem o rosto da geringonça", diz ao DN.

O deputado do CDS diz que tem ficado sem resposta às várias questões que coloca ao Governo, nomeadamente sobre quanto vai se pagar na recapitalização, regularização da dívida e renovação da frota. "O ministro sempre assumiu que do ponto de vista estratégico da empresa o Governo não intervém. O que fazem então os seis administradores nomeados pelo Estado?" E mais: "O Estado paga mas não manda."

O Ministério do Planeamento e Infraestruturas, que tutela a transportadora aérea nacional, não comenta o relatório do TdC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.