Mendes desafia deputados a pedir relatório de avaliação do Montepio

Marques Mendes desafiou ontem na SIC os deputados a pedirem a avaliação pedida pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa ao valor do Montepio. Segundo o comentador político, aquela instituição tem esse estudo, feito pela Haitong, na mão, mas "está escondido".

O antigo líder do PSD questionou ainda que o governo autorize a Santa Casa a comprar 1% do capital daquela instituição bancária, por 20 milhões - com o provedor, Eduardo Martinho, a pretender ser administrador não executivo - sem que seja divulgado o estudo. Além disso, Marques Mendes frisou que 1% do capital por aquele valor significa avaliar o banco em dois mil milhões . "Mas é impossível o banco ter esse valor", disse e estabeleceu o paralelo com o BPI, que tem o dobro da quota de mercado do Montepio, e vale hoje 1,7 mil milhões. "Comprar a este valor, sem uma explicação consistente, pode suscitar dúvidas de má gestão, favorecimento ou até de gestão danosa", frisou.

"Disparate monumental"

O antigo líder social-democrata comentou também a vida interna do PSD e considerou um "disparate monumental" os críticos de Rui Rio admitirem que possam existir eleições antecipadas dentro do partido, para mudar o líder, antes das eleições legislativas de 2019. Disparate, disse, porque: "é ficção política", já que Rio nunca se irá demitir antes das eleições; porque pode prejudicar o partido, que já está suficientemente degradado e danificado; e porque revela pouca inteligência, visto que permite a Rio "vitimizar-se".

Mendes defendeu que o presidente social-democrata "parece querer finalmente fazer oposição", ao ter escolhido o novo secretário-geral, José Silvano, e porque vai finalmente para o terreno, nomeadamente com visitas às zonas dos incêndios e a unidades de saúde.

O também conselheiro de Estado considerou que Rui Rio tem beneficiado de uma ajuda suplementar do PS, que não lhe faz críticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.