Mendes desafia deputados a pedir relatório de avaliação do Montepio

Marques Mendes desafiou ontem na SIC os deputados a pedirem a avaliação pedida pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa ao valor do Montepio. Segundo o comentador político, aquela instituição tem esse estudo, feito pela Haitong, na mão, mas "está escondido".

O antigo líder do PSD questionou ainda que o governo autorize a Santa Casa a comprar 1% do capital daquela instituição bancária, por 20 milhões - com o provedor, Eduardo Martinho, a pretender ser administrador não executivo - sem que seja divulgado o estudo. Além disso, Marques Mendes frisou que 1% do capital por aquele valor significa avaliar o banco em dois mil milhões . "Mas é impossível o banco ter esse valor", disse e estabeleceu o paralelo com o BPI, que tem o dobro da quota de mercado do Montepio, e vale hoje 1,7 mil milhões. "Comprar a este valor, sem uma explicação consistente, pode suscitar dúvidas de má gestão, favorecimento ou até de gestão danosa", frisou.

"Disparate monumental"

O antigo líder social-democrata comentou também a vida interna do PSD e considerou um "disparate monumental" os críticos de Rui Rio admitirem que possam existir eleições antecipadas dentro do partido, para mudar o líder, antes das eleições legislativas de 2019. Disparate, disse, porque: "é ficção política", já que Rio nunca se irá demitir antes das eleições; porque pode prejudicar o partido, que já está suficientemente degradado e danificado; e porque revela pouca inteligência, visto que permite a Rio "vitimizar-se".

Mendes defendeu que o presidente social-democrata "parece querer finalmente fazer oposição", ao ter escolhido o novo secretário-geral, José Silvano, e porque vai finalmente para o terreno, nomeadamente com visitas às zonas dos incêndios e a unidades de saúde.

O também conselheiro de Estado considerou que Rui Rio tem beneficiado de uma ajuda suplementar do PS, que não lhe faz críticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".