Cavaco dará posse a Costa, diz Marques Mendes

Comentador diz que Parlamento chumbaria governo de iniciativa presidencial e país não aguenta um executivo de gestão

Marques Mendes defendeu ontem na SIC que o Presidente da República não tem outra alternativa senão dar posse a um governo de António Costa, depois de o executivo de Passos Coelho chumbar no Parlamento.

O conselheiro de Estado que foi ministro de Cavaco Silva nos dois governos de maioria absoluta explicou que a maioria de esquerda chumbaria um eventual governo de iniciativa presidencial e que para o país ser governável precisa de um Orçamento do Estado, o que não é compaginável com um executivo de gestão. O "primado" da Assembleia da República, ou seja, uma maioria de esquerda a apoiar um governo de Costa vai impor-se às reticências do Presidente da República, vaticinou Marques Mendes.

Na sua opinião, Cavaco pode e deve impor condições: um acordo escrito, mas também condições no plano da credibilidade internacional, da estabilidade política e da sustentabilidade orçamental. E esse acordo, disse, deve ser apresentado até à votação do programa de governo de Passos. Isto porque Costa disse que só o chumbaria se tivesse um acordo alternativo.

Quanto ao governo de Passos, Marques Mendes reiterou que deve ter ministros mais políticos do que técnicos e evitar mexidas na lei orgânica. O comentador da SIC defendeu ainda que o programa se deve situar ao centro e deverá aproximar-se do que foi apresentado pelos socialistas.

Marques Mendes considerou acertada a decisão de Cavaco Silva de dar posse a Passos Coelho depois de ter vencido as eleições - e até porque não há ainda acordo à esquerda - , mas disse ter sido contraproducente o "apelo velado" a que os deputados [do PS] violassem a disciplina de voto. E admitiu que o discurso do Presidente não foi claro quanto ao que fará no caso de uma rejeição ao governo de Passos.

Apesar da quebra de tradição, de o presidente da AR não ter saído da bancada mais votada, Marques Mendes elogiou a escolha de Ferro Rodrigues, mas não deixou de fazer um reparo: teve um início "pouco feliz" com um discurso "divisionista".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.