INE é obrigado a explicar "anomalias" na Linha de Apoio

O provedor da Justiça pediu esclarecimentos "urgentes" à presidente do Instituto Nacional de Estatística sobre as anomalias detectadas na linha telefónica de apoio aos censos 2011, que já motivaram mais de meio milhar de queixas.

A Provedoria da Justiça recebeu até hoje 558 queixas relativas à pergunta sobre recibos verdes colocada no inquérito ao recenseamento que está a decorrer, anunciou hoje em comunicado o gabinete de imprensa do provedor. Mas Alfredo José de Sousa está agora preocupado com as denúncias, que se revelaram verdadeiras, sobre a Linha de Apoio "não estar a funcionar devidamente". De acordo com o gabinete do provedor, desde o passado dia 25 de Março, foram realizadas "inúmeras tentativas a horas distintas", entre as 09:00 e as 22:00, mas "todas sem resultados".

O gabinete do juiz conselheiro critica também o facto de ainda não ter sido alterado no site "e-CENSOS" o horário de funcionamento da linha, que foi mudado a 19 Março. Para o provedor, esta situação poderia aceitar-se se se tratasse de "outros suportes de divulgação", como panfletos, mas "dificilmente se compreende" tratando-se de uma página na Internet. A não correção do horário poderá significar um "prejuízo da eventual utilidade do horário alargado de atendimento telefónico", alerta em comunicado. Perante estas situações, o gabinete do provedor de Justiça decidiu pedir "esclarecimentos urgentes à presidente do Instituto Nacional de Estatística sobre as anomalias detetadas e sugeriu que o INE promova a correção do teor da divulgação online do horário da Linha de Apoio".

Alfredo José de Sousa quer ainda que o INE "disponibilize informação relativa ao número de atendimentos nela efectuados", desde 21 de Março, e pretende também saber onde estão "localizadas as instalações" da linha. O juiz conselheiro entende ainda que o INE "deve ponderar um eventual reforço significativo da equipa de atendimento".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG