Municípios assinam protocolos para recuperação de casas até ao final do ano

As autarquias recebem os formulários das famílias afetadas pelos incêndios e é feita a transferência do dinheiro diretamente para as estas ou para as câmaras

O município de Tondela assinou esta segunda-feira o protocolo para a recuperação das 219 casas afetadas pelos incêndios de 15 e 16 de outubro, sendo que os acordos com as restantes autarquias devem estar assinados até ao final do ano.

"Até ao final do ano, todos os protocolos vão estar assinados", afirmou a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, sublinhando que só após a assinatura destes documentos será possível fazer a transferência das verbas para os municípios.

Ana Abrunhosa falava aos jornalistas após a assinatura do protocolo entre a Câmara de Tondela e a CCDRC, que visa a recuperação das 219 casas de habitação permanente afetadas no concelho.

Segundo a presidente da CCDRC, o protocolo "delimita a partilha de responsabilidades" das duas entidades.

As autarquias recebem os formulários das famílias afetadas e, assim que os formulários são entregues à CCDRC, é feita a transferência do dinheiro diretamente para as famílias ou para as câmaras, dependendo do protocolo estabelecido.

Em Tondela, os fundos vão ser transferidos para a Câmara Municipal, que vai realizar um trabalho "de monitorização, fiscalização e acompanhamento", explanou Ana Abrunhosa.

Neste concelho do distrito de Viseu, a Comissão de Coordenação e o município estão a encetar esforços para ser criado um consórcio para assegurar as obras nas casas de primeira habitação afetadas, que vai "aproveitar as empresas locais", referiu.

"Neste caso, estamos a definir o consórcio. Fizemos as consultas e temos que escolher a melhor proposta", frisou.

Durante o discurso, o presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, realçou que o incêndio afetou quase 180 quilómetros quadrados do concelho, registando-se prejuízos superiores a 12 milhões de euros em indústria, comércio e serviços e 1,5 milhões de euros nas infraestruturas municipais.

Já no caso das habitações, foram registadas mais de quatro centenas de casas afetadas - 219 de primeira habitação, destacou.

De acordo com o autarca, estima-se que a reconstrução das habitações permanentes "ultrapassem os 11 milhões de euros", sendo objetivo do município que a reabilitação das casas se realize "com a maior brevidade".

"O grau de confiança em nós depositado tem a nossa garantia de que nos empenharemos, até ao limite, para que rapidamente todas as primeiras habitações sejam reabilitadas", vincou José António Jesus.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.