Incêndio no Babilónia está extinto. Fogo começou numa fritadeira elétrica

As chamas começaram num armazém ilegal de hotelaria no piso -1 do espaço comercial da Amadora, que teve de encerrar algumas lojas. Várias pessoas tiveram de ser retiradas do edifício. Não houve feridos a registar

Um incêndio no centro comercial Babilónia, na rua Elias Garcia, na Amadora, deflagrou esta esta quarta-feira, no piso -1, tendo sido entretanto extinto.

Segundo os Bombeiros da Amadora o fogo começou na zona do estacionamento do espaço, num armazém ilegal de hotelaria e depressa passou para outro armazém ilegal de telemóveis.

A origem do incêndio esteve - "com 98 por cento de certezas" - numa fritadeira elétrica que terá ficado ligada. O óleo aqueceu a tal ponto que terá começado a arder.

As chamas obrigaram ao fecho de algumas lojas da superfície comercial, que é conhecida pela venda de telemóveis e pelos cabeleireiros, e à retirada de várias pessoas do edifício. Segundo a Cometlis não há feridos a registar.

A rua Elias Garcia foi cortada pelas autoridades, mas entretanto reaberta.

O parque de estacionamento do centro foi isolado por não apresentar condições de segurança.

O alerta foi dado aos bombeiros Voluntários da Amadora pouco depois das 16:00.

No local estiveram a combater as chamas as corporações sete viaturas e 18 elementos dos bombeiros da Amadora e de Queluz. A VMER do hospital Amadora-Sintra, a PSP e a proteção civil também acorreram ao alerta.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.