Incêndio em sucata improvisada provocou caos em Alfena

36 bombeiros de cinco corporações evitaram esta tarde que as chamas destruíssem várias casas nos arredores do Porto.

Uma fogueira num quintal transformado em sucata improvisada provocou um incêndio de grandes dimensões que destruiu parcialmente duas habitações esta tarde na freguesia de Alfena (em Valongo), nos arredores do Porto. O cenário de caos só não teve consequências piores devido à rápida intervenção de cinco corporações de bombeiros que combateram as chamas no local durante mais de uma hora.

"Quando chegámos aqui estava tudo tomado pelas chamas. Se não chegássemos rapidamente tinham ardido uma série de casas, além das duas que ficaram com os anexos destruídos e as cozinhas danificadas. Salvámos ainda três cães e, felizmente, em nenhum momento a vida dos moradores esteve em risco", contou ao DN Carlos Teixeira, Comandante Bombeiros Ermesinde, uma das cinco corporações que estiveram envolvidas numa ação que envolveu 36 homens e nove viaturas.

Segundo apurou o DN, no local, o incêndio na Viela 31 de Janeiro, no lugar de Cabeda, na freguesia de Alfena, foi provocado por um sexagenário que guarda no seu quintal entulho e sucatas, o que tem causado incómodo da vizinhança, que por várias vezes já chamou a GNR ao local para alertar sobre esta situação potencialmente perigosa, como agora veio a confirmar-se.

"Esse senhor guarda tudo no quintal, desde plásticos a botijas de gás... O próprio cunhado, que mora mesmo ao lado da casa dele, pô-lo em tribunal por causa do entulho que ele acumula no quintal", explicou António Coelho, o vizinho que lançou o alerta ao início da tarde, que permitiu a rápida intervenção dos bombeiros: "Ouvi um forte estrondo! Parecia pólvora e rapidamente o fogo alastrou pelo bairro. A minha casa esteve em sério risco, tal como outras. Se tivesse acontecido à noite, isto ardia tudo. Ninguém daria fé e provavelmente morríamos aqui carbonizados."

No local estiveram também presentes agentes da Polícia Judiciária que tomaram conta da ocorrência de modo a que sejam apuradas responsabilidades.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG