Il Mercato recebe selo de autenticidade italiana

Prémio Ospitalità Italiana é entregue pelo instituto italiano de turismo. Chef Tanka está satisfeito com distinção

O restaurante Il Mercato abriu há um ano e meio pelas mãos de um chef nepalês e acaba de ser distinguido com a marca de autenticidade italiana, atribuída pelo Instituto Nacional de Investigação Turística, em colaboração com a Câmara do Comércio italiana.

O proprietário - que já tinha conquistado esta distinção com o restaurante Come Prima - confessou ao DN que esta distinção mostra que "não sendo italiano, se tivermos vontade de trabalhar chegamos lá". O chef Tanka, nasceu no Nepal, mas quando decidiu abrir um restaurante italiano em Lisboa soube que tinha de ser à séria. "O prémio Ospitalità Italiana é atribuído aos restaurantes que tenham um chef que tenha estudado em Itália, que usem produtos DOP e sigam as formas de cozinha italianas", explica.

Desde que abriu o Il Mercato que o chef Tanka queria este prémio. Junta-se assim a outros restaurantes italianos em todo o mundo (e também em Portugal) que têm uma certificação de autenticidade da cozinha transalpina.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.