Homossexualidade de D. Carlos Azevedo era conhecida

O padre Carreira das Neves afirma que sabia que o ex-bispo auxiliar de Lisboa é homossexual e que "tinha problemas complicados". D. Januário Torgal Ferreira sabia desde 2007 que Azevedo "tinha tido um comportamento homossexual"

"Sabiamos apenas que o D. Carlos era homossexual e mais nada. A homossexualidade é reconhecida e ele tem pessoas a quem, tanto quanto sei, tem pessoas a quem o dizia, ele confessava-se homossexual", adiantou à SIC o padre Carreira das Neves.

Uma orientação sexual que, para o professor da Universidade Católica, não é um problema. "O ser homossexual não é pecado nenhum. O ser homossexual é como ser heterossexual, isto depende da ciência. O problema é o pecado. Portanto se, porventura, há assédio, isso é pecado. Mas tanto o é para um homossexual, como para um heterossexual", disse ainda Carreira das Neves.

Sobre as acusações de assédio sexual agora divulgadas pela Visão, tanto Carreira das Neves, como D. Januário Torgal Ferreira, dizem que não eram novidade.

"Sim, sim, ouvi. D. Carlos Azevedo, bispo e tal.. pronto, que tinha tido um comportamento desta ordem e que houve uma pessoa que o incriminou, que havia da parte dele um comportamento homossexual", declarou à TSF o bispo das Forças Armadas, adiantando que teve conhecimento da acusação em 2007.

"Já tinha ouvido coisas, rumores. Já sabia que havia, em relação a D. Carlos, alguns problemas complicados. E sabia apenas que tinha ido para Roma e que talvez por causa desses problemas complicados", disse, por seu lado, Carreira das Neves à SIC.

"Sendo um homem honesto não posso diluir as liberdade de expressão, mas também não tenho quaisquer argumentos que me provem que isso não é verdade", rematou D. Januário Torgal à TSF.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.