Homem assassinado em Nisa estava evadido da prisão

O homem assassinado com quatro tiros de pistola, durante uma discussão, na terça-feira à noite em Nisa, alegadamente por motivos passionais, encontrava-se evadido de um estabelecimento prisional, revelou hoje a Policia Judiciária (PJ).

Em comunicado enviado à agência Lusa, a PJ explica que a vítima, de 25 anos, encontrava-se evadida de um estabelecimento prisional, onde cumpria pena de prisão pela prática de crimes de roubo.

O outro homem, de 34 anos, indiciado pela presumível autoria de um crime de homicídio consumado e de um crime de detenção de arma proibida, está referenciado pelas autoridades, tendo antecedentes criminais por tráfico e consumo de droga e furto.

O suspeito do homicídio vai ser presente ainda hoje a tribunal para primeiro interrogatório judicial, em que lhe serão aplicadas eventuais medidas de coação.

A vítima, baleada na terça-feira à noite com quatro tiros de pistola de calibre 6.35 milímetros (arma de fogo proibida), acabou por morrer durante a madrugada de hoje no bloco operatório do Hospital de Portalegre, depois de ter sofrido ferimentos um pouco todo o corpo, tendo ficado com uma bala alojada no pescoço.

Segundo fonte da GNR, o crime ocorreu na sequência de uma discussão, alegadamente por motivos passionais, por volta das 20:45, em pleno centro histórico de Nisa, tendo o alegado autor dos disparos se entregado de seguida no posto da GNR da vila, no distrito de Portalegre.

Fonte do Hospital de Portalegre disse à Lusa que o baleado chegou à unidade "em paragem cardiorrespiratória", numa Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER), tendo sido reanimado "momentaneamente" e enviado para o bloco operatório para uma operação de urgência, onde voltou a fazer nova paragem cardiorrespiratória e acabou por morrer.

A investigação está a cargo da secção de homicídios da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo da PJ.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG