Helena André pede cartão vermelho para esquerda radical e direita populista

A dirigente socialista Helena André pediu hoje um "cartão vermelho" às forças da oposição de esquerda "radical" e de direita "populista", alegando que derrubaram o Governo e abriram uma crise política por "interesses mesquinhos".

A posição da cabeça de lista do PS por Aveiro, Helena André, também ministra do Trabalho cessante, foi assumida no final de uma recepção ao secretário-geral socialista, José Sócrates, na Mealhada.

"As eleições de domingo não foram desejadas pelo PS, que tudo fez para que Portugal não recorresse à ajuda externa para ultrapassar a crise financeira. Mas os partidos de esquerda radical e de direita populista uniram-se e, esquecendo os interesses do país, consideram preferível defender os interesses mesquinhos, os interesses partidários", sustentou Helena André.

Para a cabeça de lista do PS por Aveiro, esse cartão vermelho à oposição "tem todo o sentido, porque as propostas da oposição de esquerda são para nada mudar e as propostas à nossa direita ignoraram a justiça e a solidariedade social".

Antes de Helena André, o presidente da Câmara da Mealhada, Carlos Cabral, deixou fortes críticas a uma intervenção recente da ex-líder do PSD Manuela Ferreira Leite.

"Disse que se queria ver livre dele [José Sócrates] de primeiro-ministro e livre dele da oposição, mas que isto diz é uma pessoa que queria suspender a democracia durante seis meses. Mas eles não vão suspender a democracia porque nós não deixamos", declarou o autarca socialista, recebendo palmas dos apoiantes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG